Topo

Vladimir Zelenski assume a presidência da Ucrânia

2019-05-20T06:40:00

20/05/2019 06h40

Kiev, 20 mai (EFE).- O comediante e ator Vladimir Zelenski foi investido nesta segunda-feira presidente da Ucrânia em cerimônia solene na Rada Suprema (parlamento) do país.

Zelenski, de 41 anos, acompanhado de sua mulher Elena e de seus pais, e na presença de vários representantes de governos convidados, jurou seu cargo em frente à presidente do Tribunal Constitucional, Natalia Shaptala.

Na presença de quatro dos cinco presidentes da Ucrânia - faltou Viktor Yanukovich, refugiado na Rússia - Zelenski jurou ser fiel à Constituição com a mão direita sobre ela e o Evangelho de Peresopnytsia.

O livro é um dos manuscritos do Oriente eslavo mais importantes do século XVI e que é utilizado tradicionalmente em posses presidenciais.

Antes, a presidente da Comissão Eleitoral Central (CEC), Tatiana Slipachuk, confirmou de novo os resultados do segundo turno das eleições do dia 21 de abril, nos quais Zelenski ganhou do já ex-presidente Petro Poroshenko com 73,22% dos votos, o melhor resultado da história da Ucrânia desde sua independência.

Zelenski, que se tornou o sexto presidente da Ucrânia, aceitou os símbolos do poder presidencial: a bandeira e o selo presidencial, um colar cerimonial e uma maça - um tipo de arma medieval -, símbolo da alta autoridade dos líderes cossacos ucranianos nos séculos XVI e XVII.

A cerimônia foi seguida por cerca de mil espectadores nos arredores do parlamento, onde tinham sido instaladas telas para os cidadãos ucranianos.

Zelenski chegou à Rada Suprema andando pelo parque Mariinsky para saudar sorridente os cidadãos e tirar inclusive selfies com alguns deles.

Entre os convidados para a cerimônia estavam o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, que chegou ao parlamento de bicicleta, assim como os presidentes de Estônia, Letônia, Lituânia e Geórgia; o ex-presidente da Alemanha, Christian Wulff; o secretário dos EUA de Energia, Rick Perrky; e o vice-presidente da Comissão Europeia, Maros Sefcovic. EFE

Mais Internacional