Topo

Equador diz ter gastado US$ 5,2 milhões com segurança de Assange em embaixada

23/05/2019 21h01

Quito, 23 mai (EFE).- O ministro das Relações Exteriores do Equador, José Valencia, afirmou nesta quinta-feira que o governo do país gastou US$ 5,2 milhões para proteger o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, durante os sete anos em que o ativista viveu como refugiado na embaixada equatoriana em Londres, no Reino Unido.

Valencia também afirmou que os diplomatas que trabalham no local selaram os três espaços nos quais Assange passou a maior parte do tempo enquanto viveu na embaixada para proteger seus pertences.

No total, o Equador gastou mais de US$ 6 milhões durante a estadia de Assange na embaixada. Cerca de US$ 5,2 milhões foram investidos na contratação de empresas de segurança e para a instalação de equipamentos especiais para proteger o ativista.

Os dados foram revelados pela Controladoria-Geral do Estado (CGE) em um relatório preliminar e confirmados à Agência Efe pelo chanceler. Ainda houve, segundo Valencia, investimentos realizados antes da chegada de Assange à embaixada em 2012.

Valencia explicou que o Ministério das Relações Exteriores precisou justificar, como determina a lei, como o dinheiro estava sendo usado na embaixada. Um dos requerimentos que deveria ser cumprido é a realização de licitação para a contratação das empresas de segurança, processo que será analisado pela CGE.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decidiu retirar o asilo político de Assange em abril. O ativista foi entregue às autoridades do Reino Unido e enfrenta dois pedidos de extradição, um da Suécia e outro dos Estados Unidos, onde foi acusado formalmente hoje por divulgar centenas de milhares de documentos secretos.

Sobre a operação realizada pela Promotoria-Geral do Estado em Londres a pedido do Departamento de Justiça dos EUA para confiscar bens de Assange, Valencia disse que o Equador está respeitando o devido processo jurídico e que nenhum diplomata do país tocou nos objetos deixados pelo ativista no local.

"As salas foram seladas porque eram espaços próprios para o uso de Assange. Nesses locais - um dormitório e dois escritórios - nem sequer havia câmeras instaladas", garantiu o chanceler.

Segundo o ministro, os diplomatas tiraram fotos de como o ativista deixou os cômodos antes de ser preso no Reino Unido.

A operação ocorreu, de acordo com Valencia, seguindo a Convenção Interamericana de Assistência Penal. Os EUA, como signatários do tratado, podem pedir a outro país, neste caso o Equador, que realize certos procedimentos para a apreensão de objetos.

"Esse é um 'modus operandi' completamente normal, que já ocorreu em múltiplas circunstâncias, que o Equador muitas vezes também pede a outras procuradorias", disse o ministro.

Agora, os promotores decidirão se os pertences do fundador do WikiLeaks têm relevância jurídica necessária para serem enviados aos Estados Unidos. EFE

Mais Internacional