Topo

Apuração confirma vitória contundente de Modi nas eleições indianas

24/05/2019 14h23

Nova Délhi, 24 mai (EFE).- O partido nacionalista hindu BJP do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, venceu de forma contundente as eleições no país, após a conclusão da apuração nesta sexta-feira, e conquistou 303 cadeiras de um total de 542 no parlamento indiano, um triunfo que deixa o opositor Partido do Congresso, da dinastia Nehru-Gandhi, com apenas 52 legisladores.

A vitória do BJP, com cerca de 60% do controle da Lok Sabha (câmara baixa do parlamento), conforme a apuração da Comissão Eleitoral da Índia, representa uma das maiores vitórias em uma reeleição no país, o que, além disso, supõe um profundo apoio ao partido de Modi para que continue com o processo de reformas iniciado em 2014.

Com essa maioria, superior as 272 cadeiras necessárias para formar governo, o BJP pode assumir o controle do Poder Executivo sozinho outra vez e ainda melhora seu desempenho em relação ao pleito anterior, quando elegeu 282 legisladores.

Com os seus aliados, o partido conservador soma cerca de 350 cadeiras, o que proporciona uma folgada capacidade de manobra para o governo.

Além disso, a legenda nacionalista conseguiu ganhar terreno até mesmo em lugares nos quais sua presença era quase simbólica, como no estado de Bengala, antigo reduto da esquerda, no qual venceu em 18 dos 42 distritos da região, um número bastante superior em comparação com os dois legisladores eleitos em 2014.

No estado de Uttar Pradesh, o maior da Índia, o BJP conseguiu mais da metade das 80 cadeiras da região no parlamento, apesar de ter enfrentado uma aliança entre potências regionais, como o Partido Samajwadi (SP) e o Partido Bahujan Samaj (BSP).

Para o histórico Partido do Congresso, a maior legenda de oposição do país, a leve melhoria de oito cadeiras sobre as 44 conseguidas em 2014 representa uma derrota ainda mais dolorosa, já que agora todos esperavam um avanço maior diante do possível desgaste do primeiro mandato de Modi.

O Partido do Congresso, que governou a Índia durante mais tempo que qualquer outro, também teve que lidar com a derrota de seu líder, Rahul Gandhi, em Amethi, um dos redutos eleitorais da dinastia Nerhu-Gandhi.

Além disso, mesmo ao somar todos os aliados, a oposição não ultrapassa 20% do total de parlamentares.

Com mais de 900 milhões de eleitores habilitados e uma participação que superou 60%, a Índia mostrou neste pleito porque é considerada a maior democracia do mundo. EFE

Mais Internacional