Topo

Israelenses vão às ruas para exigir que Netanyahu respeite a democracia

25.mai.2019 - Israelenses protestam em Tel Aviv contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu - Ammar Awad/Reuters
25.mai.2019 - Israelenses protestam em Tel Aviv contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu Imagem: Ammar Awad/Reuters

Jerusalém

25/05/2019 17h14

Milhares de israelenses tomaram as ruas de Tel Aviv hoje para exigir que o primeiro-ministro interino de Israel, Benjamin Netanyahu, respeite a democracia e desista de aprovar leis que o dariam imunidade ou que limitariam o poder do Tribunal Supremo.

"Diante de nossos olhos há uma pessoa que tenta substituir o povo por um governo unipessoal e tenta submeter toda uma nação aos interesses de um único homem", criticou em discurso o líder do partido opositor Azul e Branco, Benny Gantz.

Já o vice-líder do Azul e Branco, Yair Lapid, disse que o protesto não é uma questão espectro político, de direita ou de esquerda, mas sim sobre os esforços de Netanyahu para evitar a prisão, uma visão compartilhada pela deputada Tamar Zanzberg.

"Não há rei em Israel. Nós somos o Estado, não Netanyahu", disse.

Os manifestantes atenderam à convocação dos partidos de oposição a Netanyahu -- Azul e Branco, Trabalhista e Meretz -- após a divulgação de detalhes sobre as negociações do primeiro-ministro com outras legendas para formar um novo governo em Israel.

Mais votado nas eleições gerais de abril, Netanyahu negocia acordos que, segundo os vazamentos, teriam fórmulas para garantir sua imunidade e impedir que seja julgado em três casos de corrupção.

Além disso, Netanyahu discute com aliados o apoio a um projeto para impedir que o Tribunal Supremo possa anular o efeito de leis aprovadas pelo parlamento que o órgão considere que são contrárias a direitos fundamentais dos israelenses.

Netanyahu tem até terça-feira para anunciar que tem apoio suficiente para governar. Caso não o premiê consiga costurar uma aliança consistente, o presidente do país, Reuven Rivlin, pode passar a responsabilidade de formar um governo para outro candidato, provavelmente Gantz, líder do segundo partido mais votado no pleito.

Nas ruas de Tel Aviv, os manifestantes pediam o bloqueio da "Lei da Imunidade" e para que Netanyahu não transforme Israel na Turquia de Recep Tayyip Erdogan.

Mais Internacional