Topo

Manifestantes lotam ruas da Albânia para exigir renúncia de primeiro-ministro

2019-05-25T18:48:00

25/05/2019 18h48

Tirana, 25 mai (EFE).- Milhares de albaneses foram neste sábado às ruas de Tirana, capital do país, para pedir a renúncia do primeiro-ministro Edi Rama, em uma manifestação que terminou em confronto com policiais que acompanhavam o movimento.

Perto do parlamento do país, alguns dos manifestantes jogaram pedras e foguetes contra as forças de segurança, que responderam com o uso de canhões de água para dispersar o protesto.

Os incidentes de hoje foram menores do que os registrados no protesto do último dia 11, quando 14 policiais, dois manifestantes e um funcionário de uma emissora de TV ficaram feridos.

Os manifestantes começaram o protesto em frente à sede do governo e percorreram as ruas da capital até chegar ao parlamento. O movimento foi organizado por líderes dos dois principais partidos da oposição, o conservador Partido Democrático (PD) e o esquerdista Movimento Socialista para a Integração (LSI).

"As ruas têm se enchido de coragem com uma mensagem curta e decidida: 'Rama, vá embora!", disse o líder do PD, Lulzim Basha.

A oposição acusa o governo de ter vínculos com organizações criminosas e de ter manipulado os resultados das eleições parlamentares do país há dois anos.

Rama nega as acusações e garante que foi eleito em um pleito limpo, certificado pela comunidade internacional.

Funcionários do alto escalão da União Europeia (UE) e do governo dos Estados Unidos confirmaram que o governo de Rama é legítimo e pediram que os opositores voltem a fazer parte do parlamento.

Os principais críticos de Rama abandonaram o Legislativo há três meses e, por enquanto, se negam a participar das eleições municipais marcadas para ocorrer no próximo dia 30 de junho.

A comunidade empresarial disse estar preocupada com a insegurança política da Albânia, o que tem afetado o clima dos negócios no país, um dos mais pobres da Europa.

Nos últimos dias, Rama enviou quatro cartas abertas a Basha, nas quais convida o opositor a dialogar. A proposta, no entanto, foi negada. O líder do PD quer a renúncia do primeiro-ministro e a formação de um governo de transição no país.

"Não vai haver negociação com Rama", destacou Basha, que classifica a saída do premiê como uma "questão de vida ou morte".

A Albânia espera receber em junho uma resposta positiva da UE ao processo para iniciar as negociações para aderir ao bloco. EFE

Mais Internacional