Topo

Moon afirma que Washington e Pyongyang estão conversando "em segredo"

2019-06-26T08:17:00

26/06/2019 08h17

Seul, 26 jun (EFE).- O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, afirmou nesta quarta-feira que Estados Unidos e Coreia do Norte estão conversando "em segredo" sobre a possibilidade de realizar outra cúpula bilateral para tratar o tema da desnuclearização.

Moon falou que ambas partes iniciaram um "diálogo em relação a uma terceira cúpula" entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em entrevista concedida por escrito à "Yonhap" e outros meios de comunicação que participam esta semana de um fórum em Seul convocado pela agência de notícias sul-coreana.

"Por sua vez, o diálogo entre o Sul e o Norte também está continuando em relação a uma (nova) cúpula intercoreana", acrescentou Moon, que lembrou que está preparado para se reunir com Kim "em qualquer momento".

Nesse sentido, destacou que "não há motivo para considerar a atual situação como uma estagnação do processo de paz na península apenas porque o ritmo foi lento".

Em todo caso, até agora nem a Coreia do Norte nem os EUA disseram ter realizado conversas formais desde a fracassada cúpula de Hanói de fevereiro e Seul foi incapaz de explicar publicamente quais canais de comunicação mantém abertos com Pyongyang, que se mostrou distante nos últimos meses.

Na capital vietnamita, Pyongyang defendeu uma desnuclearização gradual acompanhada da progressiva suspensão de sanções, uma oferta que Washington - que garante que não relaxará sanção alguma enquanto o regime não eliminar seus programas nucleares, de mísseis e de armas químicas e biológicas - considerou inaceitável.

No entanto, a recente troca de cartas entre Kim e Trump, a cúpula da semana passada entre o líder norte-coreano e o presidente da China, Xi Jinping (que encontrará Trump esta semana no G20), e a viagem do próprio Trump à Coreia do Sul no final de semana alimentam a possibilidade da retomada do diálogo.

Os analistas não descartam inclusive que o presidente americano possa visitar a fronteira intercoreana e realizar algum gesto de peso para convidar Kim novamente à mesa de negociação.

Outros consideram possível até que os dois líderes se reúnam já neste final de semana na fronteira, apesar de Washington ter descartado publicamente esta possibilidade. EFE

Mais Internacional