Topo

Chanceler da Venezuela promete que chavismo seguirá negociando com opositores

21/07/2019 15h00

Caracas, 21 jul (EFE).- O ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, prometeu neste domingo, durante reunião do Movimento dos Não Alinhados, que a delegação chavista enviada para dialogar com a oposição em Barbados seguirá na mesa de negociação até que haja um acordo político para solucionar a crise do país.

"Chova, troveje ou relampeie a delegação governista permanecerá sentada na mesa de diálogo", disse o chanceler, que faz parte da delegação do governo de Nicolás Maduro, sobre as negociações com os opositores, mediadas pela Noruega.

Pouco se sabe das negociações, iniciadas em Barbados após duas rodadas realizadas em Oslo, mas os envolvidos no diálogo revelaram que estão trabalhando em seis temas.

Aproveitando a presença de representantes de outros países na reunião do Movimento dos Não Alinhados em Caracas, Arreaza denunciou as sanções contra a indústria do petróleo da Venezuela aplicadas pelo governo dos Estados Unidos.

Para o chanceler, a Venezuela enfrenta "uma guerra não convencional" todos os dias.

Sobre o relatório crítico sobre a Venezuela elaborado pela equipe da alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, Arreaza afirmou que o "lamentável documento" não corresponde à situação que a ex-presidente do Chile viu no país.

Arreaza disse que o relatório é um "documento maravilhoso" para aqueles que desejam atacar a Venezuela, grupo formado, segundo ele, pela União Europeia e pelo Grupo de Lima, do qual o Brasil faz parte com outros países da região.

O ministro ironizou as denúncias feitas pelos "inimigos da revolução bolivariana" ao dizer que o próximo passo é inventar que a Venezuela está produzindo urânio.

"Eles falam também que há células do Hezbollah aqui. Não há presença de nenhum grupo. Isso é um absurdo", questionou o chanceler.

O Movimento dos Não Alinhados, grupo formado por mais de 100 países, nasceu em 1961 como reflexo da Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética. A ideia do bloco era manter uma posição neutra no conflito entre as duas superpotências.

A Venezuela organizou neste fim de semana uma reunião preparatória para a cúpula do bloco, que será realizada em outubro no Azerbaijão. EFE

Internacional