Topo

Trump afirma ser cada vez "mais difícil" alcançar acordo com Irã

22/07/2019 15h23

Washington, 22 jul (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira que considera cada vez "mais difícil" alcançar um acordo com o Irã que possibilite diminuir a escalada de tensão entre ambos países.

"Não tiveram respeito com os Estados Unidos. Não deveriam ter feito isso, francamente, fica mais difícil chegar a um acordo com o Irã... embora tudo seja possível", disse o governante americano ao começo de sua reunião com o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, que foi recebido nesta segunda-feira na Casa Branca.

Trump fez estas declarações pouco depois de usar sua conta no Twitter para acusar o Irã de ter mentido sobre o fato de 17 cidadãos iranianos detidos nesse país trabalhem para a CIA, como asseguraram hoje as autoridades de Teerã.

Trump voltou a afirmar que o governo iraniano "mente muito" e que o país "é uma bagunça total".

Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohamad Yavad Zarif, aproveitou que estava em Nova York com o propósito de participar de várias reuniões na sede da ONU para expressar a disposição de Teerã de sentar para negociar, desde que Washington suspenda as sanções que pesam sobre seu país.

"Se Trump quer mais por mais, podemos ratificar um protocolo adicional e ele pode retirar as sanções que impôs", disse Zarif, em referência ao denominado Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA, na sigla em inglês), o nome técnico do acordo multilateral nuclear com o Irã, do qual os EUA anunciaram sua retirada em maio do ano passado.

Esta retirada se deveu, segundo alegou o governo americano, ao fato que as autoridades iranianas estavam violando o espírito do tratado com o propósito de desenvolver armas nucleares em segredo, uma acusação que não foi respaldada pelos demais países signatários do acordo (Rússia, China, Alemanha, Reino Unido e França).

Trump considerou hoje que sua decisão de deixar tal acordo "é uma das melhores coisas que fez" como presidente, por se tratar, em sua opinião, de um acordo que não permitia à comunidade internacional inspecionar "as instalações importantes" do programa nuclear iraniano.

O presidente americano manifestou também o desejo de assinar um novo tratado com Teerã, mas ressaltou que seu governo está preparado "para o pior" e que a atual situação poderia "terminar de qualquer maneira". EFE

Mais Internacional