Topo

Otan diz que caças russos voavam sem plano e realizaram manobra perigosa

14/08/2019 14h04

Bruxelas, 14 ago (EFE).- A Otan afirmou nesta quarta-feira que aviões de combate russos rastreados na terça-feira perto de seu espaço aéreo sobre o Mar Báltico não contavam com plano de voo enquanto escoltavam outra aeronave civil, além de informar que um deles realizou uma manobra não segura diante de um de seus caças.

"Um avião TU-214 russo, escoltado por dois aviões de combate SU-27 russos, foi rastreado sobre o Mar Báltico perto do espaço aéreo da Otan na primeira hora da tarde - hora local - de 13 de agosto", explicou em comunicado a porta-voz aliada, Oana Lungescu.

Lungescu confirmou que o TU-214 "tinha um plano de voo válido", mas que "os dois SU-27 que o escoltavam não contavam com plano de voo, estavam com os transponders desligados e não se comunicaram com o controle de tráfego aéreo".

Dois caças da missão de patrulha aérea da Otan no Mar Báltico foram enviados para identificar visualmente o avião "como ação de rotina", apontou.

"Controlaram os aviões a uma distância segura, mas um dos aviões de combate russo realizou uma manobra não segura, introduzindo-se no caminho de voo de um dos caças da Otan", detalhou.

O Ministério de Defesa da Rússia afirmou na terça-feira que caças russos SU-27 interceptaram um F-18 da Otan que tentou se aproximar do avião onde viajava o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, quando este sobrevoava águas neutras do Mar Báltico.

A Otan voltou a reiterar hoje que não tem "informação oficial sobre quem estava a bordo do TU-214".

Em um vídeo divulgado pelo canal do Ministério de Defesa russo, é possível ver como os caças russos obrigam o F-18 a se afastar do avião de Shoigu, que voava do enclave russo de Kaliningrado para Moscou.

A missão de patrulha aérea da Otan é uma tarefa coletiva e defensiva que implica na presença permanente de caças dispostos a reagir com rapidez diante de qualquer violação do espaço aéreo da Aliança. EFE

Notícias