Topo

Avião-tanque faz primeiro voo para combater incêndios na Bolívia

747 SuperTanker da empresa Global SuperTanker, contratado pelo governo da Bolívia para combater incêndios florestais no país - Reprodução/Facebook/Global SuperTanker
747 SuperTanker da empresa Global SuperTanker, contratado pelo governo da Bolívia para combater incêndios florestais no país Imagem: Reprodução/Facebook/Global SuperTanker

Em La Paz

23/08/2019 18h09

O avião-tanque Boeing 747 Supertanker, o maior do tipo no mundo, fez hoje o primeiro voo para combater os incêndios que já devastaram mais de 700 mil hectares de florestas na Bolívia.

A aeronave partiu do aeroporto de Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra, por volta das 15h (16h em Brasília) após uma longa reunião. Especialistas e autoridades do governo da Bolívia passaram várias horas discutindo quais eram os pontos que deveriam ser priorizados.

Mais cedo, o vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, havia informado que o primeiro ponto para a dispersão de 74 mil litros de água seria o município de San José, onde há uma "cortina de fogo muito extensa e muito intensa".

"Vamos tentar fazer de duas a três liberações (de água)", disse García Linera.

O governo da Bolívia cogita incluir produtos químicos para ajudar nas próximas viagens do avião-tanque, que deve permanecer no ar hoje por cerca de três horas.

García Linera disse que a crise deve servir de lição para que a Bolívia possa estar preparara no futuro para enfrentar esse tipo de tragédia. Segundo ele, o Supertanker será usado na tríplice fronteira entre Bolívia, Brasil e Paraguai nos próximos dias.

O gerente do Serviço de Aeroportos da Bolívia, Milton Claros, disse que o avião-tanque está sendo acompanhado nos voos por uma aeronave da Força Aérea Boliviana, que colaborará na identificação dos incêndios.

O Supertanker chegou à Bolívia na madrugada de hoje após uma longa viagem. A aeronave saiu de Sacramento, na Califórnia, no oeste dos Estados Unidos.

O governo da Bolívia divulgou ontem um relatório sobre a crise e informou que 1.817 famílias foram afetadas pelos incêndios que destruíram mais de 700 mil hectares de florestas de Chiquitania, uma conhecida região turística do país.

A gravidade da situação obrigou o governo de Santa Cruz de la Sierra há declarar estado de emergência. A presidência da Bolívia determinou a criação de um gabinete de crise para lidar com os incêndios.

Mais Internacional