Topo

Desmoronamento de escola deixa 7 estudantes mortos e 64 feridos em Nairóbi

23/09/2019 10h55

(Atualiza números e acrescenta declarações)

Nairóbi, 23 set (EFE).- Pelo menos sete estudantes morreram e 64 tiveram que ser internados devido ao desmoronamento de uma escola em Nairóbi, segundo confirmaram os serviços de emergência e as autoridades.

"Após o desmoronamento do edifício, 57 estudantes foram transferidos ao hospital para receberem tratamento e podemos confirmar que houve sete mortes", disse inicialmente o porta-voz do governo do Quênia, Cyrus Oguna.

Horas depois, o ministro da Educação queniano, George Magoha, elevou o número de feridos para 64. Apenas dois se encontram em estado "relativamente crítico", segundo especificou Evanson Kamuri, do Hospital Nacional Kenyatta de Nairóbi.

"A maioria está estável. Só dois deles, um menino e uma menina, se encontram em estado crítico", detalhou Kamuri às portas do hospital.

A escola desmoronada é a Precious Talent School, localizada na região de Ngando, no oeste da capital queniana, onde o edifício de dois andares e construído com madeira e painéis de metal veio abaixo por volta das 7 (horário local; 1h em Brasília).

Tanto os serviços de emergência como os próprios moradores da região atuaram no resgate dos alunos da instituição de ensino, que foi reduzida a escombros.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, usou o Twitter para enviar as "mais sinceras condolências" às famílias das crianças afetadas, e garantiu que estão sendo tomadas "medidas urgentes para conter a situação e aliviar o sofrimento".

O diretor de comunicação do serviço de emergências Saint John, Fred Majiwa, explicou que o andar superior, feito de concreto, afundou e caiu sobre as salas de aula do piso inferior. O andar de cima continha crianças de ensino primário com menos de cinco anos de idade, enquanto no inferior estudavam alunos maiores.

O proprietário da escola, Moses Wainaina, classificou a tragédia de "acidente" e culpou as autoridades municipais por recentes obras de saneamento que, segundo ele, debilitaram os alicerces do edifício.

"Tinham boas intenções de ajudar esta escola, mas ocorreu um acidente", ressaltou Wainaina, enquanto atendia pais furiosos pelo desmoronamento.

Embora a escola seja privada, o porta-voz do governo garantiu o poder público arcará com as despesas do atendimento médico às crianças feridas, internadas no Hospital Nacional Kenyatta de Nairóbi, o maior centro médico público do país.

O ministro da Educação afirmou que a escola ficará fechada até a segunda-feira. Durante esse período, "o edifício será inspecionado" para poder tomar uma "decisão bem fundamentada".

"Não vim aqui para culpar ninguém. Este incidente trágico não deve ser usado para disseminar temor às nossas crianças", declarou o ministro no local do desmoronamento. EFE

Mais Notícias