Topo

Hong Kong retira oficialmente lei de extradição que originou protestos

16.out.2019 - Chefe do Executivo de Hong Kong é vaiada por parlamentares e cancela discurso - Anthony Wallace/AFP
16.out.2019 - Chefe do Executivo de Hong Kong é vaiada por parlamentares e cancela discurso Imagem: Anthony Wallace/AFP

Em Hong Kong

23/10/2019 07h32

O Parlamento de Hong Kong retirou oficialmente hoje a polêmica proposta de lei de extradição que originou os protestos em massa que vêm ocorrendo na cidade desde o início de junho.

Durante uma sessão do Conselho Legislativo (assembleia de Hong Kong), o ministro da Segurança, John Lee, foi o responsável pelo anúncio: "Para ilustrar claramente a posição do governo sobre esta proposta, anuncio sua retirada", disse.

A sessão teve que ser suspensa logo depois, quando a bancada pró-democrática gritou palavras de ordem contra Lee e pediu sua renúncia, aumentando o clima de tensão na Câmara.

O anúncio da retirada ocorre oito meses depois da polêmica proposta de lei: uma norma que, segundo opositores, ativistas e advogados, permitiria que Pequim tivesse acesso a "fugitivos" refugiados da ex-colônia britânica para levá-los à sua jurisdição e processá-los em um sistema sem garantias.

A retirada da controversa proposta de lei é uma das cinco exigências dos manifestantes pró-democráticos, que também incluem uma investigação independente sobre violência policial, anistia para os presos, a retirada do termo "revolta" às manifestações do dia 12 de junho e eleições livres para escolher o chefe do Executivo local.

Embora no dia 4 de setembro, a chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam, tenha anunciado a retirada formal da proposta, os manifestantes seguiram protestando, com o objetivo de garantir que todas as suas exigências fossem atendidas.

No entanto, alguns manifestantes optaram por táticas mais radicais do que os protestos pacíficos e confrontos violentos com a polícia são frequentes.

Internacional