Topo

Defensoria boliviana diz que civis mortos em operação militar foram baleados

21/11/2019 14h37

La Paz, 21 nov (EFE).- As mortes de oito civis na última terça-feira na Bolívia, durante operação militar e policial em resposta aos fortes protestos contra o governo interino do país, na cidade de El Alto, foram causadas por armas de fogo, cujo autor está sendo investigado, conforme informações divulgadas nesta quinta-feira pela Defensoria do Povo.

"As oito mortes em El Alto depois de uma operação policial-militar na fábrica de Senkata aconteceram devido ao impacto de um projétil de uma arma de fogo", diz o comunicado da Defensoria.

Cidade vizinha de La Paz, El Alto é o foco dos protestos contra o governo interino de Jeanine Áñez (que assumiu a presidência após renúncia de Evo Morales). Ela classifica os atos dos manifestantes de "terrorismo" e assegura que nas ações de resposta não foram disparados tiros pelos militares.

"Todos, sem exceção, apresentaram ferimentos e traumas causados por um projétil de arma de fogo", disse um relatório do Instituto de Investigações Forenses de médicos, radiologista e especialista criminal.

As circunstâncias dessas mortes durante intervenção das forças de segurança estão sendo investigadas pelo Ministério Público.

Jeanine Áñez afirma que os tiros não saíram das armas dos militares. Porém, não tem uma versão oficial sobre os verdadeiros autores dos disparos.

Com essas vítimas em El Alto, subiram para 32 o número de mortos na Bolívia após as fracassadas eleições do último dia 29 de outubro.

O país está imerso em um dos mais graves conflitos de sua história recente, após começarem as denúncias de fraude envolvendo o então presidente Evo Morales, que havia sido declarado vencedor para um quarto mandato consecutivo.

No poder há quase 14 anos, Morales renunciou no último dia 10, após a Organização dos Estados Americanos (OEA) disse ter encontrado irregularidades no pleito. Mesmo aceitando a repetição das eleições, o ex-presidente foi obrigado pelas Forças Armadas a deixar o cargo. EFE

Notícias