PUBLICIDADE
Topo

Internacional

UE reitera apoio a acordo nuclear com Irã em reunião na ONU

09.jan.2020 - Debate no Conselho de Segurança da ONU - Xinhua/Li Muzi
09.jan.2020 - Debate no Conselho de Segurança da ONU Imagem: Xinhua/Li Muzi

09/01/2020 22h54

Nações Unidas, 9 jan (EFE) - O representante da União Europeia na ONU (Organização das Nações Unidas), Olof Skoog, reafirmou nesta quinta-feira, durante reunião no Conselho de Segurança, o compromisso do bloco com o acordo nuclear firmado com o Irã em 2015.

"A UE dá grande importância à preservação do acordo e sua total implementação. É um elemento fundamental da arquitetura da não proliferação internacional (de armas nucleares) e crucial para segurança na região e no mundo", disse Skoog em uma reunião convocada para discutir a crise entre Estados Unidos e Irã.

A renovação do compromisso do bloco europeu com o acordo nuclear foi feita um dia depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, pedir que os demais países signatários do pacto - Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China - o rompessem.

Os Estados Unidos deixaram o acordo, assinado durante o governo de Barack Obama, em 2018, pouco depois de Trump assumir o poder.

"O sistema multilateral está cada vez mais sob ameaça. Novas competições e tensões estão o minando. Tratados e acordos amplamente aceitos parece que estão sendo colocados em questão", afirmou o embaixador da UE na ONU.

Skoog considerou que a recente escalada de tensão no Oriente Médio entre EUA e Irã é uma questão "extremamente séria". Para ele, um conflito poderia colocar em risco a segurança regional e reforçar o terrorismo internacional.

No discurso, apoiado por países como Turquia, Montenegro, Sérvia, Albânia e Ucrânia, o diplomata fez uma defesa do multilateralismo e alertou sobre o risco de o mundo voltar a regressar à era anterior à criação da ONU há 75 anos.

"A UE é e seguirá sendo uma guardiã do multilateralismo. Seguiremos defendendo uma ordem internacional baseada em normas, incluindo a proteção dos direitos humanos, com a ONU e sua carta como centro", afirmou Skoog.

Internacional