PUBLICIDADE
Topo

Venezuela suspende decisão de expulsar embaixadora da União Europeia

02/07/2020 23h40

Bruxelas, 2 jul (EFE).- A Venezuela decidiu "deixar sem efeito" a decisão de expulsar a embaixadora Isabel Brilhante Pedrosa, chefe da delegação da União Europeia (UE) em Caracas, informaram nesta quinta-feira o Ministério das Relações Exteriores venezuelano e o bloco europeu.

O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, e o alto representante da UE para Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, concordaram em conversa por telefone "sobre a necessidade de manter o quadro das relações diplomáticas, especialmente nos momentos em que a cooperação entre ambas as partes pode facilitar os caminhos do diálogo político", de acordo com uma declaração conjunta.

Como resultado, "o governo venezuelano decidiu rescindir a decisão tomada em 29 de junho de 2020, pela qual a embaixadora Isabel Brilhante Pedrosa, chefe da delegação da União Europeia em Caracas, foi declarada persona non grata".

Além disso, "ambos concordaram em promover contatos diplomáticos entre as partes no mais alto nível, no âmbito de uma cooperação sincera e do respeito pelo direito internacional".

O governo da Venezuela havia decretado nesta semana a expulsão em 72 horas da embaixadora da UE em Caracas como resposta às sanções impostas em 30 de junho pela UE contra 11 venezuelanos por envolvimento em atos e decisões contra a democracia e o estado de direito no país.

O chefe da diplomacia da UE disse há alguns dias que não acreditava que isolar o presidente venezuelano Nicolás Maduro internacionalmente fosse uma solução para a crise no país e lamentou a expulsão da embaixadora da UE.

Observou também que a UE e seus Estados-membros estudavam "medidas apropriadas em resposta aos acontecimentos", mas não definiu quais poderiam ser essas medidas.