PUBLICIDADE
Topo

Andorra propõe que Cúpula Ibero-Americana seja adiada para 2021

06/07/2020 13h51

Madri, 6 jul (EFE).- Andorra, sede da XXVII Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, irá propor oficialmente nesta segunda-feira que o evento, programada para novembro deste ano, seja transferido para a primeira metade de 2021, devido às consequências da pandemia da Covid-19, conforme relatado em um comunicado.

É uma opção que Andorra já considerava tendo em conta a impossibilidade de realizar a reunião presencial e que apresentará ao resto dos países da região durante a III reunião de Gerentes de Cooperação e Coordenadores Nacionais, que teve seu início hoje onde começará a analisar o estado de Cooperação ibero-americana.

Este órgão, que reúne hoje e amanhã representantes dos 22 países ibero-americanos, terá que decidir se aceita a proposta de Andorra e, finalmente, a remarcar a cúpula para 2021, deixando em aberto a possibilidade da realização da reunião presencial.

Este órgão, que reúne representantes dos 22 países ibero-americanos hoje e amanhã, terá que decidir se aceita a proposta andorrana e, finalmente, a Cúpula irá até 2021 para deixar aberta a possibilidade de fazê-lo pessoalmente.

"Tendo em conta a incerteza mundial derivada da pandemia e a impossibilidade de realizar uma cúpula presencial em novembro, o Principado propôs a realização desse evento internacional no primeiro semestre do próximo ano e, assim, manter a opção de uma cúpula presencial com a segurança sanitária necessária", explica o comunicado.

Mesmo assim, especifica que "a decisão final sobre a mudança de data deve ser acordada pelos países membros da Cúpula Ibero-Americana".

A pandemia "levou a uma reformulação do calendário de reuniões preparatórias para a Cúpula", que já estão sendo realizadas eletronicamente "com o objetivo de cumprir todas as precauções de saúde e não interromper a agenda das reuniões da Cúpula", afirma.

Sob esse formato, nas últimas semanas, foi realizada uma reunião extraordinária para analisar os efeitos da pandemia, bem como a Conferência dos Diretores Ibero-americanos da Água (Codia).