PUBLICIDADE
Topo

Índia supera 9,1 milhões de casos de Covid-19 e prepara plano de vacinação

24/11/2020 14h29

Nova Délhi, 24 nov (EFE).- O governo da Índia começou a elaborar a campanha de vacinação para os 1,350 bilhão de habitantes do país, que nesta terça-feira chegou a um total de 9.177.840 casos de Covid-19 registrados desde o início da pandemia.

Em reunião liderada pelo primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, os governantes dos estados e territórios foram instruídos a preparar listas de categorias para um eventual programa de vacinação.

"Pediram para que façamos uma lista de quem receberá a vacina primeiro. A vacina será administrada de acordo com a categoria, com preferência dada aos trabalhadores da saúde e depois a outras categorias", disse o chefe de governo de Haryana, Manohar Lal Khattar, de acordo com a imprensa local.

A prioridade do país, disse Modi na reunião virtual, é "tornar a vacina disponível a todos".

"Os estados devem trabalhar na implementação de todos os mecanismos necessários, incluindo o armazenamento frio. A estratégia de distribuição de vacinas será definida em coordenação com os estados", comentou.

Embora a Índia esteja produzindo o imunizante da Universidade de Oxford e da AstraZeneca, uma das vacinas de mais baixo custo na fase final, o primeiro-ministro disse que ainda não foi tomada nenhuma decisão sobre o qual será distribuída e o preço.

Adar Poonawalla, diretor-geral do Instituto Serum, um dos principais fabricantes do imunizante desenvolvido pela AstraZeneca, estimou ontem que até janeiro terão sido produzidas 100 milhões de doses da vacina, que serão destinadas à Índia.

O governo da Índia, disse Poonawalla, comprará as primeiras vacinas por cerca de US$ 5 a dose, o que será, segundo o diretor e proprietário do Serum, um dos preços mais baixos do mercado em comparação com as outras candidatas.

A Índia continua sendo o segundo país mais afetado no mundo pela pandemia, atrás apenas dos Estados Unidos, com 9,1 milhões de casos de Covid-19 (37.975 registrados nas últimas 24 horas) e 134.218 mortes no total.