PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Maduro descarta acordo com União Europeia até mudança de política

Em Caracas

25/02/2021 00h41

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta quarta-feira para a União Europeia alterar a sua política em relação ao país, sob a ameaça de jamais reatar as relações com o bloco comunitário.

"Ou vocês retificam ou não há mais acordo algum com vocês, de qualquer tipo, nenhum diálogo", ameaçou o presidente venezuelano durante um ato de trabalho transmitido pela emissora pública de televisão "VTV", horas depois de ter ordenado a expulsão da embaixadora da UE no país, Isabel Brilhante Pedrosa.

"A União Europeia é bem-vinda na Venezuela, mas se respeitar a democracia e as instituições democráticas em nosso país", completou o chefe de governo.

Nesta quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, anunciou a expulsão de Brilhante Pedrosa, por ordem de Maduro. A ação foi uma resposta às últimas sanções da UE contra 19 venezuelanos, incluindo deputados e funcionários do Estado.

A medida era esperada desde ontem, quando o Parlamento, onde o partido governista tem imensa maioria, convocou o governo a implementar os mecanismos legais para a expulsão da diplomata. Maduro disse que, a princípio, não queria adotar a medida, mas se viu obrigado.

"Nós o fazemos contra nossa vontade, até mesmo porque queremos ter as melhores relações com toda a Europa, mas não podemos aceitar que alguém venha ofender a Venezuela, atacar, sancionar. Não aceitaremos isso da parte de ninguém", frisou.

O governo venezuelano já havia ordenado a expulsão da embaixadora europeia no final de junho de 2020, mas voltou atrás três dias depois.

Hoje, a UE pediu para a Venezuela reverter a advertência, argumentando que Maduro está se isolando cada vez mais. O chefe de governo tem a legitimidade questionada por vários países, e alguns deles reconhecem o opositor Juan Guaidó como presidente interino.

"A UE lamenta profundamente esta decisão, que só isolará a Venezuela internacionalmente. Solicitamos que a decisão seja revertida", declarou a porta-voz do Serviço Europeu de Ação Externa (EEAS), Nabila Massrali, à Agência Efe.

Internacional