PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Arábia Saudita permitirá que apenas vacinados façam peregrinações a Meca

Arábia Saudita permitirá que apenas vacinados façam peregrinações a Meca - Abdel Ghani Bashir / AFP
Arábia Saudita permitirá que apenas vacinados façam peregrinações a Meca Imagem: Abdel Ghani Bashir / AFP

02/03/2021 19h05

A Arábia Saudita exigirá que os muçulmanos que desejam fazer a peregrinação aos lugares sagrados de Meca e Medina tenham sido vacinados contra covid-19, depois de permitir uma peregrinação muito limitada no ano passado.

O ministro da Saúde saudita, Tawfiq al Rabia, citado pela mídia local nesta terça-feira, disse que os responsáveis pela organização e gestão de instalações religiosas e de saúde das cidades sagradas também terão que receber a vacina antes do início da peregrinação ou "hajj", no próximo mês de julho.

"É preciso estar preparado com antecedência para garantir (a vacinação) a mão de obra necessária nas instalações sanitárias e nos pontos de acesso aos peregrinos durante a temporada do hajj", frisou o ministro em circular publicada pela imprensa saudita.

O "hajj", um dos cinco pilares do Islã, é realizado anualmente e é obrigatório para todos os muçulmanos com capacidade física e financeira pelo menos uma vez na vida.

Além da peregrinação anual, milhões de muçulmanos de todo o mundo costumavam visitar a Arábia Saudita ao longo do ano para realizar a "umra" ou peregrinação menor à Grande Mesquita de Meca e à Mesquita do Profeta Maomé em Medina.

Ambos os locais de culto ficaram fechados por cerca de sete meses em 2020 devido à pandemia do coronavírus, até que o governo saudita decidiu reabri-los em outubro do ano passado, com uma assistência limitada a 30% e um plano de desaceleração até atingir 100% da capacidade.

O "hajj" aconteceu no final de julho de 2020 com um número limitado de cerca de mil fiéis, cidadãos sauditas ou residentes do reino, que na época estava fechado para visitantes estrangeiros.

Em 2021, o país deverá reabrir todas as fronteiras em 31 de março, após suspender os voos internacionais em 20 de dezembro.

Internacional