PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Itália justifica recusa de exportar vacinas da AstraZeneca para Austrália

04/03/2021 20h04

Roma, 4 mar (EFE).- O governo da Itália explicou nesta quinta-feira porque bloqueou o envio de 250 mil doses da vacina da AstraZeneca para a Austrália, devido aos atrasos da companhia, que vem provocando escassez no país e na União Europeia.

A informação foi divulgada por meio de comunicado pelo Ministério de Relações Exteriores italiano.

Além disso, de acordo com a nota, há duas outras razões para o embargo do envio: o fato da Austrália ser considerada "não vulnerável" e o "elevado número de doses de vacinas sujeitas à solicitação de autorização de exportação", por parte da AstraZeneca, "em comparação com a quantidade de doses entregue à Itália e, em geral, aos países da União Europeia até agora".

O país mediterrâneo, dessa forma, se tornou o primeiro da União Europeia (UE) a tomar decisão deste tipo, desde que Bruxelas aprovou o mecanismo sobre o controle das exportações dos agentes imunizantes produzidos no território comunitário.

A medida obriga as companhias farmacêuticas a avisarem com antecipação às autoridades internacionais quantas doses que foram fabricadas em seu território pretendem exportar para países de fora do bloco. O governo de onde são originárias as doses produzidas têm 48 horas para anunciar se permitem ou não a venda, embora devam consultar previamente a Comissão Europeia (CE).

O Ministério das Relações Exteriores da Itália detalhou que recebeu a solicitação da AstraZeneca para exportar vacinas em 24 de fevereiro, e que nos casos anteriores, sempre deu autorização, com aval da CE, "já que se tratavam de pequenas quantidades, de amostras destinadas à pesquisa científica".

Mas, desta vez, a companhia pedia a exportação de 250,7 mil doses da vacina, quantidade que as autoridades italianas consideraram excessivas.

Assim, em 26 de fevereiro, foi enviada à Comissão Europeia a proposta de não autorizar o envio. Como o Executivo do bloco comunitário não se opôs, a recusa foi formalmente notificada à AstraZeneca nesta terça-feira.

Até o momento, a Itália aplicou 4.841.993 doses de vacinas contra o novo coronavírus. Ao todo, 1.517.624 de pessoas já são consideradas totalmente imunizadas, já que receberam as duas doses necessárias.