PUBLICIDADE
Topo

Parlamento Europeu não observará segundo turno das eleições no Equador

08/04/2021 15h11

Bruxelas, 8 abr (EFE).- O Parlamento Europeu (PE) sublinhou nesta quinta-feira que a instituição não enviará observadores ao segundo turno das eleições gerais no Equador, que serão realizadas no próximo domingo, e lembrou que se algum deputado decidir testemunhar, o fará, portanto, a título pessoal.

"O PE não observará o segundo turno das eleições presidenciais no Equador e, portanto, não fará comentários nem sobre o processo nem sobre os resultados", afirmaram os eurodeputados David McAllister e Tomas Tobé, co-presidentes do Grupo de Apoio à Democracia e Coordenação Eleitoral do Parlamento Europeu.

Eles ressaltaram que "nenhum membro" da Câmara "tem mandato para observar ou comentar este processo eleitoral" em nome da instituição, portanto, se algum deputado decidisse testemunhar, "o faria por iniciativa própria e não deveria, em nenhuma hipótese, por meio de declarações ou ações, associar a sua participação ao PE".

O processo eleitoral equatoriano será monitorado por 2.134 observadores nacionais e 225 internacionais, estes últimos da Organização dos Estados Americanos (OEA), da União Interamericana de Organismos Eleitorais (Uniore) e da Associação Mundial de Órgãos Eleitorais (A-web, na sigla em inglês), entre outros.

Nas eleições, os equatorianos foram chamados para eleger seu presidente, vice-presidente, 137 membros da Assembleia Nacional e cinco do Parlamento.

O vencedor do primeiro turno foi Andrés Arauz - apadrinhado pelo ex-presidente Rafael Correa -, com 32,72% dos votos, seguido pelo conservador Guillermo Lasso, com 19,74% dos votos, e pelo líder indígena Yaku Pérez, com 19,38%, que afirma ter havido irregularidades que os tiraram da segunda colocação.