PUBLICIDADE
Topo

OMS lamenta relaxamento de pessoas e governos apesar de piora da pandemia

O chefe da organização, Tedros Adhanom, também disse que a atitude de alguns jovens que pensam que não há problema se contraírem o coronavírus está errada - Denis Balibouse
O chefe da organização, Tedros Adhanom, também disse que a atitude de alguns jovens que pensam que não há problema se contraírem o coronavírus está errada Imagem: Denis Balibouse

12/04/2021 20h44

Genebra, 12 abr (EFE).- A Organização Mundial da Saúde (OMS) lamentou nesta segunda-feira o relaxamento entre pessoas e alguns governos no cumprimento de medidas de combate à covid-19, apesar da piora da pandemia.

A semana passada foi a quarta com o maior número de infecções confirmadas desde o início da pandemia, com 4,4 milhões de casos notificados globalmente em sete dias.

Em comparação com a semana anterior, os casos de covid-19 aumentaram 9% e as mortes, 5%, de acordo com os números contabilizados pela OMS.

"Em alguns países, embora a transmissão continue, restaurantes e estabelecimentos noturnos estão lotados, os mercados estão cheios e poucas pessoas estão tomando precauções", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom.

O chefe da organização também disse que a atitude de alguns jovens que pensam que não há problema se contraírem o coronavírus está errada. Tedros enfatizou que não se trata de uma simples gripe, mas de uma doença que matou jovens e pessoas saudáveis, e que deixou sequelas graves em muitos.

Após as curvas de contágios e mortes terem caído durante seis semanas consecutivas em janeiro e fevereiro, a OMS acaba de relatar a sétima semana consecutiva de aumento de casos e a quarta semana em termos de óbitos.

Até agora, foram administradas 780 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, mas com uma enorme disparidade entre países ricos e pobres.

"Esta pandemia está longe de ter terminado", advertiu Tedros.

Na visão do chefe da OMS, o declínio da pandemia verificado nos primeiros dois meses do ano traz certo otimismo porque "mostra que o vírus e as suas variantes podem ser combatidos" com as medidas de saúde pública adequadas. Neste caso, a pandemia poderia ser contida "em questão de meses", analisou.

"Estamos em um ponto crítico. A trajetória da pandemia está aumentando exponencialmente e esta não é a situação em que deveríamos estar no 16º mês de pandemia e contando com medidas de prevenção que provaram que funcionam", disse a chefe da célula técnica da OMS de combate à covid-19, Maria von Kerkhove.