PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias

México quer aprovar vacina própria contra Covid-19 entre novembro e dezembro

O governo do México anunciou o início dos estudos clínicos da vacina mexicana contra a Covid-19, batizada de Patria - Hector Vivas/Getty Images
O governo do México anunciou o início dos estudos clínicos da vacina mexicana contra a Covid-19, batizada de Patria Imagem: Hector Vivas/Getty Images

13/04/2021 20h08

Cidade do México, 13 abr (EFE).- O governo do México anunciou nesta terça-feira o início dos estudos clínicos da vacina mexicana contra a Covid-19, batizada de Patria, que espera concluir e aprovar entre novembro e dezembro deste ano.

"Se tudo correr conforme o esperado, teremos no final deste ano uma vacina mexicana que será posta à disposição do Cofepris (órgão regulador) para aprovação para uso emergencial", explicou María Elena Álvarez-Buylla, diretora-geral do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (Conacyt).

Durante a entrevista coletiva diária do presidente Andrés Manuel López Obrador, a diretora do Conacyt anunciou "o início do recrutamento de voluntários", entre 90 e 100 na Cidade do México, para os estudos clínicos da Patria, vacina desenvolvida pelo laboratório Avimex em parceria com o governo mexicano.

O medicamento, que já foi testado em roedores e porcos, usa um vetor viral para a doença de Newcastle, que "não é prejudicial aos humanos", disse Álvarez-Buylla.

De acordo com o plano das autoridades, os ensaios clínicos da fase 1 aconteceriam entre abril e maio, a fase 2 entre junho e julho e a fase 3 entre agosto e outubro, enquanto sua aprovação para uso emergencial seria entre novembro e dezembro.

"Ainda há o desenvolvimento das três fases de estudos clínicos onde também existem incertezas, mas temos uma confiança muito sólida de que se tornará um desenvolvimento de uma vacina mexicana que nos permitirá se defender da Covid-19", afirmou a diretora do Conacyt.

María Elena Álvarez-Buylla disse que "é muito difícil" alcançar o ponto onde a Patria chegou, já que apenas entre 10% e 20% das vacinas iniciam seus ensaios clínicos, por isso considerou ser uma "grande notícia".

Embora várias universidades mexicanas estejam tentando desenvolver um medicamento contra a Covid-19, o governo mexicano optou pela vacina Patria, batizada desta forma pelo próprio López Obrador, em alusão à Soberana, desenvolvida em Cuba.

Com 209 mil mortes e mais de 2,2 milhões de casos confirmados, o México é o terceiro país do mundo com o maior número de vítimas da Covid-19, depois dos Estados Unidos e do Brasil.

O México foi um dos primeiros países a iniciar a vacinação em 24 de dezembro de 2020 e, desde então, aplicou 11,8 milhões de doses, enquanto 2,3 milhões de pessoas receberam as duas doses necessárias para a imunização, na sua maioria idosos e profissionais da saúde.