PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias

SIP denuncia "agressividade permanente" contra a imprensa no Brasil

21/04/2021 21h42

Miami, 21 abr (EFE).- A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) considera que persiste um "quadro muito negativo" para a liberdade de imprensa no Brasil, enquanto, segundo a entidade, o presidente Jair Bolsonaro incentiva uma "agressão permanente" contra a atividade jornalística.

É o que consta em um relatório sobre o Brasil apresentado na assembleia semestral da SIP, que foi aberta virtualmente na terça-feira e que se estenderá até sexta, para analisar os principais desafios do jornalismo no continente.

"A intolerância e o autoritarismo que caracterizam o governo de Jair Bolsonaro continuam como razões fundamentais para um quadro muito negativo da liberdade de imprensa", inicia o relatório sobre o Brasil apresentado pela SIP.

"O presidente persiste nos seus ataques ao jornalismo, procurando sempre desqualificar profissionais e empresas do setor e promovendo a agressividade permanente de setores da sociedade contra a atividade jornalística", acrescenta o documento.

Como exemplo do "clima agressivo dos setores autoritários" no Brasil contra a liberdade de imprensa, ele cita o atentado sofrido no último dia 17 de março pelo jornal "Folha da Região", da cidade de Olímpia, em São Paulo, onde parte de sua sede foi destruída por incêndio criminoso.

O suposto autor do atentado, identificado pela polícia, expressou nas redes sociais "seu desacordo com a linha editorial do jornal em defesa das medidas de isolamento social necessárias" para combater a pandemia do coronavírus.

A SIP também menciona um ataque cibernético contra o "Portal Catarinas" e ataques a repórteres que cobriam protestos públicos.

Da mesma forma, o relatório cita um texto da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) que mostra que o Brasil é o país com o maior número de jornalistas mortos pela Covid-19, com 169 vítimas de abril de 2020 a março deste ano.