PUBLICIDADE
Topo

Venezuela recebe remessa com 50 mil doses da vacina Sputnik V

04/05/2021 00h05

Caracas, 3 mai (EFE).- Uma nova remessa com 50 mil doses da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19 chegou à Venezuela nesta segunda-feira, juntando-se às 380 mil já recebidas, além das 500 mil da chinesa Sinopharm, cujas chegadas ao país foram divulgadas pelas autoridades.

No dia 24 de abril, quando chegou o último lote da Sputnik V, o ministro da Saúde venezuelano, Carlos Alvarado, disse que, até aquele momento, 880 mil doses das duas vacinas tinham desembarcado no país, o que somado a estas 50 mil, chegam a um total de 930 mil.

No entanto, Alvarado explicou hoje, ao receber o novo lote no Aeroporto Internacional Simón Bolívar, que a Venezuela tem "1.480.000 doses de vacinas que já chegaram ao país", o que "é suficiente para vacinar um pouco mais de 800 mil pessoas que estão atualmente em processo de imunização".

Porém, o ministro não explicou se, desde 24 de abril, as autoridades receberam mais doses da vacina ou qual é o medicamento, que, de acordo com o cálculo dos dados fornecidos por Alvarado, teria de que ser em dose única para que esse número chegasse a 800 mil pessoas, como ele mesmo disse.

Ele também explicou que, com a nova remessa, as vacinas disponíveis para a Venezuela "são suficientes para todos os profissionais da saúde, que são pouco mais de 360 mil pessoas, que serão totalmente imunizadas".

Alvarado disse ainda que as autoridades começarão vacinar de forma acelerada "os idosos com duas ou mais doenças associadas".

O ministro esclareceu que estas pessoas foram selecionadas através do sistema Patria, plataforma criada pelo governo e associada ao polêmico "Carnet de la Patria", apontado pela oposição e alguns aliados do Chavismo como mecanismo de controle social.

Sobre o mecanismo Covax, Carlos Alvarado destacou que o governo venezuelano está "fazendo esforços extraordinários" e disse que "praticamente tudo o que corresponde" a esse plano já foi acertado "para vacinar mais de cinco milhões de pessoas".