PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

López Obrador transforma coletiva de imprensa em festa pelo Dia das Mães

10/05/2021 16h18

Cidade do México, 10 mai (EFE).- O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, transformou sua coletiva de imprensa desta segunda-feira em uma festa pelo Dia das Mães porque, segundo ele, "as mamães vêm em primeiro lugar".

O palco da Sala do Tesouro do Palácio Nacional, onde o presidente costuma conversar todas as manhãs com os jornalistas, amanheceu coberto por uma cortina branca gigante, atrás da qual a cantora Eugenia León estava à espera para fazer uma apresentação.

"Esta manhã vai ser especial. Não vamos informar nada, não vamos responder às suas perguntas, porque as mamães vêm em primeiro lugar", avisou o presidente mexicano aos repórteres.

Antes do show de Eugenia León, López Obrador enviou "sinceras e afetuosas felicitações a todas as mães do México, tanto às que estão connosco como às que estão no céu ou no lugar da felicidade e do amor".

Em seguida, o presidente mexicano se afastou, a cortina caiu e Eugenia León apareceu com uma banda de oito músicos que começaram o show com a tradicional canção "Las Mañanitas".

Premiada com o Grammy Latino de Excelência Musical, Eugenia León tem uma importante carreira de mais de 35 anos, 26 álbuns gravados e milhões de discos vendidos.

No ano passado, as mães mexicanas passaram seu dia em um contexto de confinamento devido à pandemia de Covid-19 e com a recomendação das autoridades para que não encontrassem os familiares para celebrar.

Porém, neste ano, os progressos na vacinação para os idosos e uma queda no número de infecções injetaram esperança para a festa no México, onde os vendedores de flores esperam recuperar 70% do nível de vendas que tinham antes da pandemia.

O México é o país com o quarto maior número de mortes por Covid-19 no mundo, com quase 220.000 óbitos, além de mais de 2,36 milhões de infecções, mas as autoridades dizem ter registrado 15 semanas consecutivas de redução após o pico em janeiro deste ano.

O país vacinou mais de 11 milhões de adultos com mais de 60 anos com pelo menos uma dose, além de ter iniciado neste mês a imunização de quase 10 milhões de pessoas com idades entre 50 e 59 anos.