PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Acidente em metrô na capital mexicana foi causado por "falha estrutural"

17/06/2021 02h10

Cidade do México, 16 jun (EFE).- A queda da linha 12 do metrô da Cidade do México, que deixou 26 mortos no dia 3 de maio, ocorreu devido a uma "falha estrutural" da construção, revelou nesta quarta-feira o laudo da perícia preliminar independente realizada pela empresa norueguesa DNV.

"O incidente foi causado por uma falha estrutural associada a deficiências no processo de construção", disse o secretário de Obras e Serviços da Cidade do México, Jesús Antonio Esteva Medina, ao ler as conclusões do primeiro do três laudos preliminares da perícia.

O estudo, apresentado em evento que contou com a presença da prefeita da capital, Claudia Sheinbaum, e representantes da empresa DNV, revelou que nas vigas da ponte que desmoronou faltavam parafusos, havia soldas incompletas e diferentes tipos de concreto.

Além disso, algumas das obras não correspondiam ao projeto original.

Em vez disso, o relatório destacou que a linha estava operando "em conformidade com os protocolos de manutenção de rotina", portanto, neste momento não foi apontada qualquer negligência do governo local.

A DNV, que ainda investiga a falha, apresentará o segundo relatório no dia 14 de julho e o terceiro e último no dia 30 de agosto deste ano.

Além disso, o Colégio de Engenheiros Civis do México apresentará seu próprio relatório amanhã.

A tragédia ocorreu na noite do dia 3 de maio, quando uma viga de uma ponte elevada da linha 12, entre as estações de Olivos e Tezonco, no sudeste da capital, cedeu, causando a queda de um trem com passageiros que ficou encalhado sob forma de "V".

O acidente atingiu a imagem do ex-prefeito e atual Ministro das Relações Exteriores mexicano, Marcelo Ebrard, que construiu a chamada linha de ouro em 2012, e da atual prefeita, que aspiram suceder o presidente Andrés Manuel López Obrador em 2024.

Por sua vez, Claudia Sheinbaum insistiu que se trata de um "relatório preliminar" da DNV, portanto, há "outros processos" a seguir e "vários estudos" ainda estão sendo realizados.

Sobre a apuração das responsabilidades, a prefeita disse que dependerá do Ministério Público da capital e, por seu lado, anunciou que formará uma equipe técnica de "altíssimo nível" para a realização de um projeto executivo de "reforço e reabilitação" da linha 12 para que volte a operar novamente.

Ebrard inaugurou a linha em 2012 para ligar os bairros populares da zona sul da capital mexicana, mas as obras foram cercadas de polêmica desde o início, pois custaram mais do que o esperado e o serviço ficou suspenso entre 2014 e 2015 devido a inúmeras falhas.

Com cerca de 220 mil passageiros por dia, a linha era conhecida por seu ruído e curvas acentuadas, assim como vizinhos que relataram rachaduras na ponte elevada após o terremoto de 2017.