PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Com alta de casos, Portugal começa a emitir certificado digital de Covid-19

17/06/2021 00h07

Lisboa, 16 jun (EFE).- Portugal começou a emitir nesta quarta-feira os primeiros certificados digitais europeus de Covid-19, embora estejam ainda em fase piloto, em um momento em que a pandemia continua a crescer no país, com números de novas infecções não vistos desde o último mês de fevereiro.

Os três tipos de atestado - vacinação, teste negativo ou recuperação da doença - já podem ser solicitados no site do Sistema Nacional de Saúde (SNS), de acordo com as autoridades sanitárias.

A primeira a testar este certificado em Portugal foi a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que o utilizou na sua chegada a Lisboa, onde anunciou a aprovação do plano de recuperação português.

Além de facilitar a mobilidade no exterior, o certificado será utilizado para outras atividades dentro do território nacional, conforme foi anunciado pelo primeiro-ministro português, António Costa.

"Este certificado pode ser usado não só para fins de entrada e saída de fronteira, mas também para outros, como casamentos ou outros eventos, para que possam ser realizados com segurança", explicou Costa em uma entrevista coletiva ao lado de Von der Leyen.

Precisamente nesta quarta-feira, as autoridades sanitárias anunciaram que o teste negativo de Covid-19 será obrigatório para festas familiares com mais de dez participantes, como casamentos e batizados, e eventos culturais ou esportivos com mais de 500 pessoas.

A medida foi determinada para combater uma pandemia que continua a crescer em Portugal, concentrada sobretudo na região de Lisboa e do Vale do Tejo.

Portugal relatou 1.350 novas infecções por coronavírus nesta quarta-feira, o maior número desde 24 de fevereiro, quando o país estava sob confinamento total.

Quase 70% dos casos foram detectados na região de Lisboa, centro da pandemia neste momento e onde já se fala que a capital, que na semana passada não avançou para a próxima fase de desconfinamento, poderia recuar no progresso da reabertura.

Com mais de 10 milhões de habitantes, Portugal registrou 860.395 casos e 17.055 mortes desde o início da pandemia, com seis óbitos notificados nas últimas 24 horas.

Nos hospitais, a situação também se agravou e há 351 pacientes internados com o vírus - 100 a mais do que há um mês-, dos quais 83 estão em terapia intensiva.