PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Moscou decreta vacinação obrigatória de 60% dos funcionários do setor de serviços

17/06/2021 01h46

Moscou, 16 jun (EFE).- As autoridades de Moscou descreveram nesta quarta-feira como "dramático" o aumento das infecções por coronavírus na capital da Rússia e decretaram a vacinação obrigatória de pelo menos 60% dos funcionários dos setores de serviços.

"Diante da complexa situação epidemiológica, o chefe da Saúde da cidade de Moscou decretou hoje a vacinação obrigatória dos funcionários dos setores de serviços", anunciou em seu blog o prefeito da capital russa,Sergey Sobyanin.

O decreto das autoridades sanitárias confirma que as infecções dispararam a partir do dia 6, com um aumento diário de entre 11% e 20%.

Além disso, o prefeito de Moscou alertou que "a mortalidade atingiu os níveis dos picos do ano passado".

"Nas últimas 24 horas, morreram mais de 70 pessoas. A maioria delas nem teria adoecido se tivessem sido vacinadas a tempo", lamentou.

Embora tenha admitido que a vacinação é um assunto pessoal, Sobyanin ressaltou que deixa de sê-lo quando os cidadãos vão para as ruas e se tornam "co-participantes do processo epidêmico".

"Além do mais, quando você trabalha em uma entidade que oferece atendimento a um número indeterminado de pessoas em condições de epidemia, não é mais uma questão pessoal, independentemente dos meios de proteção individual utilizados", frisou.

Até hoje, as autoridades russas insistiam que a vacinação era voluntária, mas aparentemente a relutância dos russos em se vacinar obrigou à determinação dessa medida.

Embora a Rússia tenha quatro vacinas locais - as de duas doses Sputnik V, EpiVacCorona e CoviVac, e a de dose única Sputnik Light - a campanha de vacinação no país, que começou em janeiro deste ano, está progredindo lentamente, principalmente devido à relutância de população a ser vacinada.

Uma pesquisa realizada em maio passado pelo Levada Center revelou que 62% dos russos não querem ser vacinados com a Sputnik V, principal imunizante utilizado na campanha de vacinação e que, segundo seus desenvolvedores, tem 97% de eficácia.