PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolívia chega a 51,2% da população alvo com esquema completo de vacinação

18/10/2021 14h47

La Paz, 18 out (EFE).- A Bolívia alcançou a marca de 51,2% da população com esquema completo de vacinação contra a covid-19, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde do país, que também informou o registro de alta de 7% no número de casos da doença na última semana.

Segundo os dados oficiais, os departamentos que tiveram maior aumento no contágio foram Chuquisaca, com 41%, Oruro, com 36%, seguidos por Potosí e Cochabamba, ambos com 19%.

Por outro lado, regiões como La Paz e Beni registraram quedas na quantidade de novos casos de 10% e 15%, respectivamente, enquanto Pando teve um recuo expressivo, de 90%.

O balanço geral do Ministério da Saúde aponta que 51,2% da população alvo conta com esquema de completo de vacinação. Foram aplicadas 2.699.381 segundas doses no território boliviano, além de 909.326 imunizantes de dose única.

Além disso, ainda foram aplicadas 3.507.199 primeiras doses, atingindo 61,5% da população com mais de 18 anos, que ainda precisará concluir o ciclo.

"Superamos as 7 milhões de doses em todo o país. Estamos iniciando uma nova etapa. Hoje, iniciamos a imunização de jovens de 16 e 17 anos", informou o ministro da Saúde boliviano, Jayson Auza.

O integrante do governo garantiu hoje que esse processo será reforçado nesta semana, com a chegada de mais de um milhão de doses de vacina da Pfizer, que foram doadas pelos Estados Unidos, através do mecanismo Covax, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Auza explicou que os adolescentes de 16 e 17 anos só poderão ser vacinados se estiveram acompanhados de um dos pais ou de adulto responsável.

Além disso, na Bolívia, está sendo aplicada dose de reforço em idosos com mais de 60 anos e pessoas com doenças crônicas. Ao todo, já foram utilizadas 27.671 doses neste público, segundo revelou o ministro.

Desde o início da pandemia da covid-19, o país registrou 506.654 casos de covid-19 e 18.834 mortes causadas pela doença. EFE