PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Acusado de participar da morte de presidente do Haiti é preso na Jamaica

22/10/2021 01h51

San Juan, 21 out (EFE).- O colombiano Mario Palacios, suposto membro do grupo acusado de assassinar o presidente do Haiti Jovenel Moise foi preso na Jamaica, onde havia entrado incógnito, segundo a imprensa jamaicana.

O portal "The Gleaner", que citou fontes policiais, informou que o colombiano foi preso em uma paróquia - divisão administrativa da ilha - no centro da Jamaica no início deste mês.

"Não sabemos como ele chegou aqui", disse uma fonte que pediu anonimato, de acordo com o portal.

Palacios foi preso, segundo este relato, sem resistência em uma casa de hóspedes onde estava hospedado. Oficialmente, entretanto, a polícia jamaicana não confirmou a prisão.

O assassinato de Moise foi cometido, de acordo com as investigações, por um comando de mercenários que invadiu a residência presidencial na madrugada de 7 de julho sem encontrar resistência por parte dos seguranças que protegiam o local.

A Polícia Nacional do Haiti emitiu um pedido de busca e captura em julho para Palacios.

Do grupo que supostamente realizou o ataque, 18 colombianos e dois haitianos-americanos foram presos, e outros três colombianos foram mortos em confrontos com a polícia.

As autoridades haitianas também anunciaram a prisão de um dos supostos mentores do crime, o médico americano Christian Emmanuel Sonon.

De acordo com as investigações, Sonon contratou o comando através de uma empresa de segurança sediada nos EUA e que é dirigida por um venezuelano. EFE