PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Peru aplicará dose de reforço aos maiores de 65 anos a partir de novembro

26/10/2021 18h40

Lima, 26 out (EFE).- As autoridades sanitárias do Peru vão aplicar uma terceira dose da vacina contra a covid-19 em pessoas com mais de 65 anos a partir de novembro, informou nesta terça-feira a diretora de imunizações do Ministério da Saúde (Minsa), Gabriela Jiménez.

Ela disse em entrevista à emissora de rádio "RPP" que esta dose de reforço poderia começar a ser injetada entre os dias 1º e 2 de novembro, em primeiro lugar aos maiores de 65 anos que receberam as duas primeiras doses há mais de seis meses.

Gabriela Jiménez indicou que o Minsa está colocando em "ordem" as bases de dados e irá concluir durante esta semana o agendamento das visitas de acompanhamento à população enquanto se aguarda uma segunda dose antes de anunciar o dia exato de início da aplicação de reforço.

"Para isso, estamos revisando três critérios: primeiro, que a chamada já pode ser feita na plataforma; segundo, que todos os bancos de dados devem estar disponíveis para o registro das três doses e, adicionalmente, que tenhamos a lista nominal", explicou.

Acrescentou que, até ao momento, já foram identificadas 1.920.820 pessoas elegíveis para receber a terceira dose das vacinas de Pfizer/BioNTech, Sinopharm e AstraZeneca utilizadas no país.

A chefe das imunizações indicou que também espera-se avançar na aplicação das doses de reforço à população que tem comorbidades.

Ela confirmou que o governo vai anunciar nas próximas horas a inclusão de menores entre 12 e 17 anos no processo de vacinação a nível nacional.

Nas últimas horas, o Minsa destacou que o Peru já aplicou 33,6 milhões de doses de vacinas e ultrapassou 15 milhões de pessoas com a dosagem completa.

Apesar do avanço da campanha, as autoridades insistem que os cidadãos devem manter medidas de segurança sanitária para evitar o desencadeamento de uma possível terceira onda da epidemia, responsável por mais de 2,1 milhões de casos e 200 mil mortes no país até o momento. EFE