PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Protesto contra medidas anti Covid deixa 20 presos e 6 feridos na Bélgica

05/12/2021 23h05

Bruxelas, 5 dez (EFE).- Incidentes nos momentos finais de um protesto em Bruxelas contra as medidas do governo para combater a pandemia da Covid-19, entre as quais está uma possível vacinação obrigatória, deixaram seis pessoas feridas e fizeram com que 20 fossem detidas.

A manifestação, que reuniu cerca de 8 mil pessoas, foi pacífica até perto do encerramento. No entanto, um grupo atirou projéteis e fogos de artifício contra a polícia em uma das ruas próximas à sede das instituições continentais, onde várias ruas haviam sido bloqueadas.

As forças de segurança responderam com o uso de canhões de água e bombas gás lacrimogêneo, e mais tarde relataram 20 detenções administrativas relacionadas ao tumulto, além de vários danos materiais na região. Além disso, quatro manifestantes e dois policiais foram feridos e levados ao hospital.

A manifestação começou perto da Estação Norte, em Bruxelas, e prosseguiu para o bairro europeu, onde cerca de 8 mil pessoas, segundo a polícia, se reuniram com cartazes em defesa das "liberdades" e contra a "ditadura da estigmatização" dos não vacinados.

O país enfrenta taxas recorde de incidência acumulada, com 2.127 casos de coronavírus por 100 mil habitantes a 14 dias. O protesto foi cercado por altas precauções e vigilância depois que uma marcha semelhante, mas maior, com 35 mil pessoas, terminou com mais de 40 detidos, três feridos e grandes danos à propriedade há 15 dias.

Os participantes da marcha consideram o certificado digital covid, exigido na Bélgica para acesso a bares, restaurantes e alguns eventos de lazer, contrário aos direitos fundamentais e discriminatórios. "O vírus não está sob controle, mas a população está", disseram alguns manifestantes.

Alguns dizem que não são contra as vacinas em si, mas contra a possível natureza compulsória da imunização, um debate sobre o qual ainda não foi tomada qualquer decisão na Bélgica. A iniciativa poderia ser aplicada para os funcionários da área da saúde a partir de janeiro de 2022. Depois disso, haveria obrigação para

Também será obrigatório para trabalhadores como os bombeiros, que reclamam que um quinto de sua frota de Bruxelas - cerca de 200 pessoas - não poderia trabalhar se fossem obrigados a apresentar este certificado e se juntaram aos protestos no domingo. EFE

lzu/dr