PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

OMS considera pouco provável que vacinas percam toda eficácia contra ômicron

09/12/2021 01h06

Genebra, 8 dez (EFE).- Embora as vacinas contra a covid-19 possam responder de forma diferente à variante ômicron do coronavírus, "não é provável que percam toda a eficácia", afirmou nesta quarta-feira a diretora do Departamento de Imunização da Organização Mundial da Saúde (OMS), Kate O'Brien.

"Ninguém espera que as vacinas não tenham efeito sobre a nova variante", disse O'Brien em entrevista coletiva, observando que especialistas de dentro e fora da OMS continuam analisando a cepa ômicron e os seus possíveis efeitos sobre estes medicamentos, assim como sobre tratamentos e testes de diagnóstico.

A especialista canadense disse que continua sendo importante que "todos os que têm acesso às doses sejam vacinados" e que "não se pode assumir que a população vacinada protegerá os não vacinados".

A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, acrescentou que a maioria dos casos graves atualmente tratados nas UTI são pessoas não vacinadas, e lamentou que mesmo nos países desenvolvidos com acesso generalizado a doses haja taxas de até 30% a 40% de pessoas não vacinadas.

"A mensagem é clara, a vacina protege contra casos graves e fatais, e queremos vacinar todos os grupos vulneráveis até o final de 2021", disse Swaminathan, observando que na África apenas um a cada quatro profissionais da saúde está vacinado contra a covid-19.

Perguntadas se o aumento de casos de covid-19 nos países europeus pode levar a OMS a repensar o pedido para atrasar as doses de reforço (para disponibilizar mais vacinas aos países em desenvolvimento), os especialistas insistiram que alcançar mais comunidades continua sendo essencial.

"A prioridade continua sendo levar a vacina aos não vacinados", comentou O'Brien, ao lembrar que estudos mostram que após duas doses, sem uma de reforço, as pessoas ainda estão geralmente protegidas contra formas graves de covid-19.

A imunologista canadense observou, contudo, que o Grupo Assessor Estratégico de Especialistas em Vacinas da OMS se reúne nesta semana para avaliar possíveis alterações às recomendações de doses de reforço. EFE