Giro UOL traz os destaques da noite desta terça, 10/05, para você; ouça

Andre Medeiros

Do UOL, em São Paulo

"Até o fim"

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, disse que a presidente Dilma vai recorrer à Justiça "até o fim" em caso de afastamento da Presidência depois da votação do impeachment no Senado, que deve acontecer amanhã.

Hoje Cardozo já entrou com uma ação contra a condução do rito do impeachment pelo presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alegando "notório desvio de poder" e pedindo a anulação de todo o processo de impedimento da presidente.

Leia mais

 

Bastidores

O presidente do Senado, Renan Calheiros, se diz constrangido em seguir com o processo de impeachment e culpa Dilma Rousseff.

O senador peemedebista afirmou a petistas que a presidente teve tempo para barrar a saída na Câmara e que não tem alternativa que não seja a de manter o rito. As informações são do colunista Leandro Colon, da Folha de S.Paulo.

Leia mais

 

Impeachment do vice?

Em parecer encaminhado ao STF, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, avalia que é possível existir impeachment de vice-presidente da República, mas defende que o plenário da Corte derrube a liminar que determinou a abertura do processo de impedimento contra Michel Temer.

Janot diz que existe uma diferença entre a situação de Dilma e a de Temer com relação à edição de decretos que autorizaram a abertura de crédito suplementar. Essa acusação embasa o pedido de impeachment contra o vice-presidente.

Leia mais

 

Daqui não saio

O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), disse que não vai renunciar ao cargo mesmo com a pressão que vem sofrendo desde que anulou a votação do processo de impeachment da presidente Dilma pelos deputados.

O deputado Beto Mansur (PRB-SP), segundo secretário da Câmara, disse que os integrantes da Mesa Diretora da Casa já demonstraram a Maranhão que ele não tem condições de continuar presidindo a Câmara e que o melhor a fazer é renunciar ao cargo.

Leia mais

 

Protestos pró-Dilma

Grupos contrários ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff promoveram protestos pelo Brasil no dia de hoje.

Pelo menos 18 Estados registram atos (São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Santa Catarina, Rondônia, Ceará, Espírito Santo, Amazonas, Piauí, Pará, Maranhão, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul), além do Distrito Federal. Os manifestantes são ligados a grupos como a CUT e o MST.

Leia mais

 

Mentiu, perdeu

A juíza da Vara de Execuções Criminais de Tremembé (SP), Wania Regina Gonçalves da Cunha, decidiu suspender o benefício do regime semiaberto da detenta Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos de prisão por matar os pais.

A decisão é provisória e foi tomada depois de Suzane ter declarado um endereço falso na saída temporária pelo Dia das Mães. O advogado Rui Freire, defensor de Suzane, disse que vai entrar com recurso.

Leia mais

 

Mercado animado

A Bolsa de São Paulo fechou em alta de 4,08%, com 53.070,91 pontos, a maior alta diária desde 17 de março. O resultado foi puxado com o avanço do processo do impeachment da presidente Dilma no Senado. Entre as ações o destaque fica com a Petrobras, com alta de mais de 7%.

No mercado de câmbio, o dólar fechou em queda de 1,65%, cotado em R$ 3,467.

Leia mais

 

Ritmo lento

A produção industrial no Brasil recuou em 12 dos 14 Estados pesquisados em março pelo IBGE. Foi o 25º mês de queda consecutiva.

Em março, a produção industrial brasileira recuou 11,4% em relação ao mesmo período de 2015 como reflexo da queda no consumo das famílias e da falta de investimentos no país.

Leia mais

 

Obama em Hiroshima

Barack Obama será o primeiro presidente americano em exercício a visitar Hiroshima desde o ataque nuclear dos Estados Unidos à cidade japonesa, em 1945. A confirmação veio hoje da Casa Branca.

A visita histórica vai acontecer no dia 27 de maio, durante a viagem de Obama ao Japão e ao Vietnã, entre os dias 21e 28 de maio.

Leia mais

 

Fica por mais tempo

O Corinthians anunciou a renovação do contrato de Cássio até 2019. O antigo vínculo se encerrava em 2018 e o goleiro esteve próximo de deixar o clube no início do ano rumo ao Besiktas, da Turquia, mas no último momento resolveu ficar.

Cássio chegou ao Corinthians no fim de 2011 e ganhou notoriedade e a posição de titular com o desempenho na Libertadores de 2012. O goleiro foi também eleito o melhor jogador do Mundial de Clubes da Fifa daquele ano, quando o Corinthians venceu o Chelsea e conquistou o bicampeonato.

Leia mais

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos