UOL Notícias Notícias
 

23/01/2004 - 12h23

Caetano Veloso será o primeiro a dar parabéns a São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - O baiano Caetano Veloso será a primeira celebridade a dar os parabéns a São Paulo nas comemorações dos 450 anos da cidade.

À meia-noite do dia 25 de janeiro ele estará sobre o palco montado na esquina das avenidas Ipiranga e São João, celebrizada pela canção "Sampa", recebendo como convidados cinco artistas paulistas: Jair Rodrigues, Jair Oliveira, Nando Reis, José Miguel Wisnik e Rappin' Hood.

Cada um fará uma participação especial, e todos juntos cantarão três músicas: a inescapável "Sampa", "São São Paulo Meu Amor", de Tom Zé, e "Lampião de Gás", famosa na interpretação de Inezita Barroso.

A apresentação terá transmissão ao vivo pelo SBT. Seu início está marcado para as 23h do sábado, 24 de janeiro. "Será um espetáculo muito despojado. Vou cantar acompanhado apenas do violão. Não é um show de Las Vegas, mas é de um grande, inevitável, inelutável, imenso conteúdo", afirmou Caetano em entrevista coletiva nesta quinta-feira.

O músico veio à cidade, pela primeira vez, aos 22 anos, em 1964. Mas "Sampa", declaradamente inspirada em "Ronda", de Paulo Vanzolini, só foi composta muito depois, em 1978. Ao responder sobre o que mudaria hoje na letra da canção, Caetano citou o verso que fala da "deselegância discreta" das meninas paulistas. "Aquilo era 100% verdadeiro e parecia indiscutível para um baiano que havia morado no Rio. Hoje tem Daslu, Fashion Week, as meninas de São Paulo são mais lindas que as do Rio. Mas não eram", afirmou.

O compositor também falou sobre política. "Eu tenho muita atenção pela potência de São Paulo. Nada no Brasil se resolverá sem a solução de São Paulo. Nenhum lugar se destaca do Brasil, só São Paulo. Ela está acima do país, mais por causa da pujança econômica, que atrai para o perímetro urbano uma extrema violência da pobreza. Tudo isso são problemas de grande magnitude. A USP está no poder, FHC, Lula, é tudo a mesma coisa", disse.

Ele ressaltou ainda a importância da cidade no surgimento do Tropicalismo, dizendo que o movimento seria impossível no Rio, "muito reacionário". "O Rio era como o Brasil deveria ser, tudo muito certinho. E o paulista vai de coração aberto e aceita os desafios da novidade."

O show faz parte do calendário oficial de eventos do Comitê São Paulo 450 anos e é realizado em parceria com a iniciativa privada. Segundo a organização, são esperadas 120 mil pessoas, além da presença de autoridades brasileiras (como os ministros José Dirceu, Guido Mantega, Márcio Thomaz Bastos e o vice-presidente José Alencar) e estrangeiras (os prefeitos de Paris, Buenos Aires, Budapeste e Palermo, entre outros).

Dois telões e equipamento de som posicionados na avenida São João devem levar a música até a praça da República. O esquema de segurança contará com 600 PMs, 70 homens da Guarda Civil Municipal e mais 120 seguranças particulares. O metrô funcionará até as 2h.

(Por Patricia De Cia, especial para a Reuters)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host