UOL Notícias Notícias
 

13/08/2006 - 11h17

Vítimas de tufão na China tentam retomar suas vidas

Por Ben Blanchard

JINXIANG, China (Reuters) - O tufão Saomai perdeu força e se converteu em depressão tropical depois de deixar quase 300 mortos ou desaparecidos na China, afundar 1.000 barcos pesqueiros, derrubar milhares de casas e provocar prejuízos de mais de 1 bilhão de dólares.

Três dias depois de o tufão mais forte a atingir a China em meio século ter devastado as províncias costeiras de Fujian e Zhejiang, os mortos oficialmente contabilizados já chegam a 134, além de pelo menos 163 desaparecidos.

A agência de notícias Xinhua estima os prejuízos econômicos totais em 1,45 bilhão de dólares.

Quarenta e cinco pessoas morreram em Fujian, 110 estão desaparecidas, 1,45 milhão foram prejudicadas e 32.700 casas foram destruídas, segundo a Xinhua.

O distrito de Shacheng, na cidade de Fuding, em Fujian, foi o mais fortemente atingido pelo Saomai: 4 mil casas foram destruídas e 1.000 embarcações pesqueiras foram perdidas, disse a agência de notícias. Apenas em Fuding, cerca de 1.350 pessoas teriam ficado feridas.

Um funcionário provincial informou pelo telefone que 87 pessoas morreram em Zhejiang. De acordo com a Xinhua, 2 milhões de pessoas foram afetadas na província, onde 18 mil casas foram destruídas pelo tufão.

O Saomi arrasou o povoado de Jinxiang, em Zhejiang, onde o desabamento de apenas um edifício sob ventos de mais de 200 quilômetros por hora matou 41 pessoas, incluindo oito crianças.

Uma procissão de pessoas vestindo roupas funerárias brancas (o branco é a cor do luto na China) percorreu Jinxiang em meio aos destroços deixados pela passagem do tufão.

Em outra parte da região, famílias choravam em torno dos caixões de seus familiares mortos.

OITO PARENTES MORTOS

Um homem que informou apenas seu sobrenome, Yang, contou que perdeu oito membros de sua família.

"Depois de algumas casas terem desabado, ligamos para a polícia e ela nos mandou ir ao prédio novo de concreto", disse ele, enquanto uma mulher velava os féretros com fotos dos mortos, um dos quais um bebê.

"As pessoas estavam brigando para entrar. Quando o prédio caiu, famílias inteiras morreram".

Um gerador ligado ao fundo mantinha os corpos resfriados.

Os cabos elétricos da região estavam submersos em campos inundados ou caídos pelas estradas. Muitas casas foram destelhadas. Outras não passam de escombros, seus conteúdos soterrados ou carregados pelo vento.

Alguns edifícios mais altos perderam alguns de seus andares superiores.

O tufão Saomai chegou ao condado de Cangnan, em Zhejiang, na quinta-feira, depois de as autoridades terem retirado para locais mais seguros centenas de milhares de habitantes da província densamente povoada.

Três dias depois, muitas pessoas que vivem em áreas montanhosas remotas iniciavam a luta para reconstruir suas vidas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host