UOL Notícias Notícias
 
15/08/2007 - 14h14

Aviões contribuem mais para efeito estufa do que se imagina

Por Alister Doyle

OSLO, Noruega (Reuters) - O setor aéreo pode estar prejudicando o meio ambiente mais do que se imagina porque as aeronaves não apenas liberam dióxido de carbono como produzem outros gases que esquentam a Terra, afirmaram especialistas.

Um acampamento montado por cerca de 250 manifestantes perto do aeroporto Heathrow, em Londres, nesta semana, chama atenção para os planos de incluir a aviação em um pacto global de combate ao aquecimento. Mas os aviões estão entre as fontes de emissão de gases menos conhecidas.

"O crescimento do setor continuará. Mas é complicado fazer estimativas a respeito do efeito da aviação sobre o clima", afirmou Ivar Isaksen, professor da Universidade Oslo e especialista no impacto do setor sobre o meio ambiente.

Segundo Isaksen, os efeitos da aviação vão além da emissão de dióxido de carbono, o principal dos gases do efeito estufa. Esse gás é o fator para o qual muitos governos olham ao analisarem o problema.

O setor aéreo responde por cerca de 2 por cento das emissões de dióxido de carbono do mundo. A estimativa de que o número de passageiros aumente 5 por cento ao ano aponta para o fato de que as emissões superarão os ganhos obtidos com o uso de combustíveis mais eficientes ou com melhorias nos aparelhos, afirmam estudos da Organização das Nações Unidas (ONU).

O impacto dos aviões sobre o clima pode ser ampliado por vários fatores, entre os quais a emissão de óxidos de nitrogênio, que também impedem a dispersão do calor e cujo impacto é mais nocivo em grandes altitudes.

Um relatório da ONU de 1999, por exemplo, calculou que o impacto da aviação sobre o clima era de duas a quatro vezes maior do que o mero impacto das emissões de dióxido de carbono ocorridas na queima do combustível para as turbinas.

"Os cientistas não conhecem muito bem esse assunto", afirmou Sarah Brown, porta-voz da CarbonNeutral, uma empresa que permite aos viajantes investirem em projetos de energia renovável para compensar pelas emissões advindas do setor aéreo.

A Atmosfair (www.atmosfair.de), da Alemanha, estuda fatores como a emissão de óxido de nitrogênio pelos aviões.

"Estamos tentando fazer uma estimativa sobre o efeito global", afirmou Robert Muller, da Atmosfair. Segundo Muller, empresas como a British Airways e a SAS, da Escandinávia, trabalham com empresas que fazem estimativas baixas ao oferecerem a seus clientes esquemas de compensação ambiental.

Em uma viagem de ida de Sydney a Londres, por exemplo, cada passageiro, segundo estimativa da CarbonNeutral, seria responsável por 1,9 tonelada de gases do efeito estufa, um montante que custaria 20,95 euros (28,46 dólares) para compensar.

A mesma rota produz, segundo os cálculos da Atmosfair, 6,4 toneladas e um custo de 130 euros para ser compensado.

Em Heathrow, cerca de 250 manifestantes montaram acampamento na área reservada para a construção de uma terceira pista nesse aeroporto internacional, o mais movimentado do mundo.

Um número cada vez maior de pessoas utiliza-se dos aviões, e isso, em parte, porque as companhias aéreas reduziram o preço das passagens apesar do alto custo dos combustíveis.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h59

    0,38
    3,141
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h04

    -0,58
    75.565,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host