UOL Notícias Notícias
 

27/12/2007 - 12h36

SAIBA MAIS-A trajetória política de Benazir Bhutto

(Reuters) - A líder oposicionista do Paquistão Benazir Bhutto foi morta num ataque realizado com bombas e armas de fogo na quinta-feira, na cidade de Rawalpindi, informou o partido dela.

Saiba mais sobre Bhutto abaixo:

* Benazir Bhutto nasceu no dia 21 de junho de 1953, no seio de uma rica família de proprietários de terra. O pai dela, Zulfikar Ali Bhutto, fundou o Partido do Povo Paquistanês (PPP) e foi presidente e depois primeiro-ministro do país de 1971 a 1977.

* Após ter estudado ciências políticas em Harvard e Oxford, Bhutto regressou ao Paquistão, em 1977, pouco antes de os militares tirarem o pai dela do poder. Ela herdou a liderança do PPP depois da execução do pai, em 1979, sob o governo do general Mohammad Zia-ul-Haq, dirigente militar do país à época.

* Eleita primeira-ministra pela primeira vez em 1988, Bhutto foi tirada do poder pelo então presidente devido a acusações de corrupção, em 1990. Ela voltou ao cargo em 1993, quando o sucessor dela, Nawaz Sharif, viu-se obrigado a renunciar após um conflito com o presidente. Bhutto novamente enfrentou problemas em seu segundo mandato, e acabou sendo substituída mais uma vez por Sharif, em 1996.

* Em 1999, tanto Bhutto quanto o marido dela, Asif Ali Zardari, foram condenados a cinco anos de prisão e multados em 8,6 milhões de dólares sob a acusação de terem aceitado subornos de uma empresa suíça contratada para reprimir as fraudes alfandegárias. Uma corte de segunda instância acabou cancelando as condenações. Bhutto, que colocara o marido à frente do Ministério das Finanças de 1993 a 1996, estava no exterior à época de sua condenação e optou então por não regressar a sua terra natal.

-- Advogados de Bhutto em Genebra afirmaram no mês passado terem entrado com uma apelação junto a uma corte da Suíça devido às acusações de lavagem de dinheiro contra a ex-primeira-ministra e o marido dela. A moção pode provocar a realização de novas audiências sobre o caso.

* Em 2006, Bhutto criou com seu arqui-rival Sharif uma Aliança para a Restauração da Democracia, mas os dois não conseguiram chegar a um acordo sobre a estratégia a ser adotada na confrontação com o presidente Pervez Musharraf. Bhutto acreditava ser melhor negociar com o general, ao passo que Sharif rejeitava qualquer contato com o dirigente militar.

* Bhutto regressou ao Paquistão em outubro de 2007, após passar oito anos em exílio voluntário. A volta aconteceu quando Musharraf, com quem vinha negociando a respeito de um processo de transição para um regime democrático liderado por civis, concedeu-lhe garantia de que não seria processada devido às acusações de corrupção.

* Ao regressar, já em Karachi, a ex-primeira-ministra foi alvo de um atentado suicida que matou 139 pessoas, entre simpatizantes e membros da equipe de segurança dela.

* No dia 26 de dezembro, em um cinturão industrial localizado perto de Islamabad, Bhutto prometeu, enquanto fazia campanha para as eleições gerais de janeiro, lutar pelos direitos dos trabalhadores.

(Texto de David Cutler e Gill Murdoch)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h19

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h27

    -0,47
    63.781,70
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host