UOL Notícias Notícias
 

06/02/2008 - 20h56

Afeganistão pode rachar a Otan, diz secretário de Defesa dos EUA

Por Kristin Roberts

WASHINGTON (Reuters) - A resistência de alguns países europeus em enviar mais soldados ao Afeganistão ameaça rachar a Otan entre países dispostos a lutar e outros que não têm interesse, disse na quarta-feira o secretário norte-americano de Defesa, Robert Gates.

"Temo bastante que a aliança evolua para uma aliança de dois escalões, em que há aliados dispostos a lutar e morrer para proteger a segurança das pessoas e outros que não estão [dispostos a isso]", afirmou o secretário.

"E acho que isso coloca uma nuvem sobre o futuro da aliança se isso durar e talvez até piorar", completou ele em uma comissão parlamentar.

Os Estados Unidos tentam convencer seus aliados a se envolverem mais nos combates no Afeganistão, onde os ataques do Taliban e da Al Qaeda cresceram nos últimos dois anos.

A secretária de Estado Condoleezza Rice reforçou essa mensagem em visita a Londres, onde lembrou que poucos países da Otan têm tropas nas áreas mais perigosas. "Acreditamos muito fortemente que deveria haver um compartilhamento desse ônus pela aliança", afirmou ela.

Segundo Rice, os governos precisam ser leais a seus povos e dizer o que é preciso para combater os insurgentes do Taliban no Afeganistão.

"Nossas populações precisam entender que não se trata de uma missão de paz. É uma luta contra a insurgência", disse Rice em entrevista coletiva ao lado do chanceler britânico, David Miliband.

Tropas de Canadá, Grã-Bretanha, Holanda e EUA realizam a maior parte dos combates contra o Taliban no sul. Esses países querem mais contribuição dos demais aliados.

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse na quarta-feira ao Parlamento que a Otan deveria aproveitar sua cúpula de Bucareste, em abril, para dividir melhor as tarefas de combate.

"Temos 15 por cento das tropas [da Otan] no Afeganistão. Precisamos dividir adequadamente o ônus não só em termos de pessoal, mas em termos de helicópteros e outros equipamentos", declarou ele.

A Grã-Bretanha anunciou um rodízio de tropas no Afeganistão, mas disse que o contingente -- cerca de 7.700 -- deve permanecer igual. Brown disse que a Grã-Bretanha planeja enviar novos helicópteros e outros equipamentos nos próximos meses.

As autoridades dos EUA criticaram a Alemanha por sua falta de disposição em enviar equipes de treinamento ao turbulento sul afegão. O Parlamento alemão decidiu que o governo pode enviar apenas 3.500 soldados para a parte menos perigosa, o norte. O contingente total da Otan é de 42 mil soldados.

Na quarta-feira, Berlim voltou a rejeitar a pressão para deslocar tropas apara o sul, anunciando o envio de forças adicionais ao norte.

Gates, que participa nesta semana de uma reunião de ministros da Defesa da Otan na Lituânia, seguida por uma conferência sobre segurança em Munique, disse que vai voltar a pressionar os colegas da Otan nesse quesito.

(Reportagem adicional de Andrew Gray em Washington, Sue Pleming em Londres e David Mardiste em Tallinn)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host