UOL Notícias Notícias
 

23/07/2008 - 18h54

Lula afirma que não tomará medidas para reduzir consumo

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira que, entre as medidas que o governo tomará para combater a inflação, não está previsto o incentivo à redução do consumo das famílias de menor poder aquisitivo.

"Eu não vou diminuir o consumo neste país, porque se tem uma coisa que o povo pobre passou a vida inteira esperando é o direito de comer três vezes ao dia, o direito de entrar num shopping e comprar uma roupinha, comprar alguma coisa e isso nós vamos garantir. Vamos garantir, custe o que custar", disse a jornalistas.

Sem fornecer detalhes, Lula disse que adotará as providências necessárias no combate à alta dos preços.

"Se alguém imagina que a inflação vai voltar, como já aconteceu no Brasil, pode tirar o cavalo da chuva, porque não vai voltar. Nós tomaremos todas as medidas que forem necessárias para que a gente mantenha a inflação controlada."

Em relação à política de juros, utilizada contra a alta da inflação, Lula sugeriu uma elevação ao mencionar investimentos produtivos que não devem ter dificuldades de empréstimos uma vez que foram contratados no passado, a índices menores.

"Eu acho que esses investimentos de que eu estou falando não terão problemas com os juros porque já estão contratados, a taxa de juros já é outra, é só colocar as máquinas para trabalhar", afirmou.

O presidente enumerou investimentos de duas novas fábricas de papel e celulose que serão instaladas no Piauí e no Maranhão, além de outra que será ampliada na Bahia. Citou a possibilidade de outras siderúrgicas e refinarias e de um trem de alta velocidade, cujo leilão está previsto para março do próximo ano.

As declarações foram dadas em entrevista no Itamaraty, onde Lula almoçou com o primeiro-ministro de Trinidad e Tobago, Patrick Manning.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decide ainda nesta quarta-feira o rumo do juro básico do país. No mercado financeiro, a maioria espera elevação de 0,50 ponto percentual, para 12,75 por cento ao ano, mas não se descarta um aumento de 0,75 ponto.

(Texto de Carmen Munari)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,28
    3,182
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,29
    64.676,55
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host