UOL Notícias Notícias
 

08/09/2008 - 13h50

Rússia diz que enviará navios de guerra para Caribe

Por Conor Sweeney

MOSCOU (Reuters) - A Rússia anunciou na segunda-feira que enviará um poderoso cruzador movido a energia nuclear para as águas do Caribe a fim de realizar um exercício naval com a Venezuela, anunciando assim suas primeiras manobras de grande escala a serem realizadas às portas dos EUA desde a Guerra Fria.

Autoridades russas negaram que a missão tenha qualquer relação com a presença de navios de guerra norte-americanos no mar Negro, mas reconheceram que as manobras ocorrerão em um momento de nervos à flor da pele nas relações entre os EUA e a Rússia por causa do conflito na Geórgia.

O governo russo criticou os norte-americanos por enviarem um navio de comando militar e duas outras embarcações para a Geórgia a fim de distribuir material de ajuda ali e dar mostras de apoio ao presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, depois de a Rússia ter colocado seus soldados dentro do país vizinho.

O presidente russo, Dmitry Medvedev, perguntou no sábado como os EUA se sentiriam se "nós enviássemos ajuda humanitária para o Caribe usando a nossa Marinha".

Andrei Nesterenko, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, disse na segunda-feira que a missão naval para a Venezuela incluiria o cruzador movido a energia nuclear "Pedro, o Grande," um dos maiores navios de guerra do mundo.

O destróier mais moderno dos russos, o "Almirante Chabanenko", também rumará para o Caribe junto com outras embarcações, entre as quais um navio-tanque, acrescentou.

O exercício naval, que deve ocorrer em novembro, contará com o apoio de aviões anti-submarino estacionados na Venezuela, disse.

A Rússia negou que a manobra seja algum tipo de retaliação pelo fato de os EUA terem enviado navios de guerra para a Geórgia.

"Estamos falando sobre um evento planejado que não tem ligação com as circunstâncias políticas atuais e que não está de forma nenhuma relacionado ao que ocorreu na Geórgia", afirmou o porta-voz em uma entrevista coletiva. Os exercícios "não serão direcionados contra os interesses de outros países."

Os navios participarão de "manobras conjuntas, exercícios de busca e resgate além de rotinas de comunicação", afirmou Igor Dygalo, porta-voz da Marinha russa, em um comunicado. Dygalo acrescentou que o exercício está sendo planejado há um ano.

O "Pedro, o Grande" é uma embarcação imponente e fortemente armada que carrega tanto mísseis terra-terra quanto cerca de 500 mísseis terra-ar, segundo Jon Rosamund, editor da revista Jane's Navy International, especializada nessas questões.

"No papel, trata-se de um navio imensamente poderoso", afirmou. "Não temos muita certeza sobre se isso é uma demonstração de força ou se representa de fato uma alternativa operacional viável naquela região", disse Rosamund.

"Esses navios possuem muito mais poder, em teoria, do que os destróiers norte-americanos que foram para o mar Negro, mas é difícil comparar o poderio de cada um", afirmou o editor. "A Marinha russa deseja ser vista atuando em vários palcos de operação do mundo."

(Reportagem adicional de Dmitry Solovyov)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host