UOL Notícias Notícias
 

02/10/2009 - 10h02

Rio defende com emoção 1a Olimpíada na América do Sul

Por Pedro Fonseca

COPENHAGUE (Reuters) - O comitê da candidatura carioca às Olimpíadas de 2016 ressaltou o ineditismo dos Jogos na América do Sul e a beleza da cidade em uma apresentação saudada como emocionante antes da votação do COI, nesta sexta-feira, que decidirá a sede da Olimpíada de 2016.

A carta na manga da candidatura carioca foi levar uma abordagem mais passional aos eleitores do Comitê Olímpico Internacional no auditório do centro de convenções Bella Center, após as concorrentes Tóquio e Chicago terem se concentrado numa apresentação técnica.

Madri ficou escalada como última cidade a se apresentar, entre as quatro concorrentes antes do início da votação.

"Chegou a nossa hora", disse o presidente Lula durante seu discurso. "Entre as dez maiores economias do mundo, o Brasil é o único país que não sediou os Jogos Olímpicos", argumentou, lembrando que a América do Sul também nunca recebeu o evento.

"Essa candidatura não é só nossa, é também da América do Sul, um continente com quase 450 milhões de homens e mulheres e cerca de 180 milhões de jovens, um continente que, como vimos, nunca realizou os Jogos Olímpicos. Está na hora de corrigir esse desequilíbrio", afirmou.

"É hora de acender a pira olímpica em um país tropical, na mais linda e maravilhosa cidade: o Rio de Janeiro."

Falando em francês, o ex-presidente da Fifa João Havelange abriu a apresentação e convidou os membros do COI a comemorar seu 100o aniversário na cidade com a realização dos Jogos.

"Hoje eu tenho um sonho, sonho de ver a história ser feita com a realização dos primeiros Jogos Olímpicos na América do Sul em 2016", disse ele, que também é membro e eleitor do COI.

Na sequência, o presidente da candidatura do Rio, Carlos Arthur Nuzman, contou sua história no esporte desde atleta olímpico até dirigente. Ele creditou ao presidente Lula o momento de crescimento vivido pelo Brasil em diferentes áreas.

Ao som de "Aquele Abraço", de Gilberto Gil, cantada em inglês e português, os organizadores exibiram a vida esportiva dos cariocas nas praias, pontos turísticos, o Carnaval e os Jogos Pan-Americanos de 2007 realizados na cidade.

A medalhista olímpica de vela nos Jogos de Pequim Isabel Swan iniciou o momento de maior emoção da apresentação, ao mencionar o que os Jogos Olímpicos representariam para a juventude na cidade. A atleta juvenil Bárbara Leônica, presente à apresentação, foi às lágrimas ao ver sua história contada num vídeo.

"Os membros do Comitê Olímpico Internacional se emocionaram", disse a jornalistas o escritor Paulo Coelho, membro do lobby brasileiro em Copenhague.

Pelé, também presente e muito aplaudido quando citado, afirmou: "A apresentação foi maravilhosa, pela reação eles (membros do COI) gostaram bastante."

LEGADO

Lula discursou em português, mas a maior parte das falas do time brasileiro foi em inglês. Havelange e Nuzman abriram a apresentação em francês, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, também fez parte de seu discurso em espanhol.

Também falou o secretário-geral da candidatura, Carlos Roberto Osório, responsável ao lado de Paes por detalhar as arenas e projetos propostos pelo Rio para os Jogos.

O último apelo foi feito por Nuzman, que voltou ao microfone para exaltar a oportunidade de levar os Jogos a um novo território. A defesa do Rio contou com outro vídeo ao final, em que uma imagem aérea dos anéis olímpicos formados por centenas de pessoas na praia encerrou a apresentação.

A candidatura do Rio foi questionada, na sessão de perguntas após a apresentação, sobre o legado dos Jogos na cidade. Para o governador Sérgio Cabral, o Brasil é quem mais ganhará com a realização do evento.

"(A cidade do Rio) é a que receberá o maior legado para seu povo, em infraestrutura, em transporte, em meio ambiente, em qualidade de vida", disse. "Mas o maior benefício para o nosso povo é a nossa auto-estima, não só aos cariocas, mas aos brasileiros e aos sul-americanos", completou Cabral, que desta vez optou por falar com a "alma", em português.

Outra pergunta dos integrantes do COI, respondida por Nuzman, foi sobre a legislação antidoping do Brasil.

Lula respondeu sobre as garantias para a organização dos Jogos, principalmente por causa da Copa do Mundo de Futebol dois anos antes das Olimpíadas de 2016.

"Nós precisamos provar cada dia ao mundo que o Brasil resolveu se transformar em uma nação desenvolvida, uma nação capaz de recuperar no século 21 o que não conseguiu produzir no século 20", disse o presidente. "Nós certamente teremos condições de fazer mais do que estamos prometendo, porque o Brasil entrou numa nova fase da sua história."

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host