UOL Notícias Notícias
 

14/10/2009 - 21h42

Líder de facto de Honduras nega acordo com Zelaya

Por Luis Rojas Mena e Gustavo Palencia

TEGUCIGALPA (Reuters) - O líder de facto de Honduras, Roberto Micheletti, deu a entender nesta quarta-feira que rejeitava um acordo para resolver a crise política detonada no país quando o Exército derrubou o presidente Manuel Zelaya no golpe de 28 de junho.

O principal negociador de Zelaya, Victor Meza, disse mais cedo que os dois lados chegaram a um acordo, e o chefe do Exército de Honduras confirmou que uma solução para a crise estava próxima.

Mas os negociadores que depois se encontraram com Micheletti no palácio presidencial em Tegucigalpa disseram que nenhum acordo foi fechado sobre a questão central de reinstalar Zelaya na Presidência.

"O diálogo nesse ponto foi cordial e ambos os lados fizeram avanços importantes. No entanto, neste momento, não há um acordo final", disseram os negociadores do governo de facto em comunicado.

O golpe militar em Honduras detonou a pior crise na América Central em anos e foi visto como o primeiro grande problema para o presidente dos EUA, Barack Obama, na América Latina, depois que ele prometeu melhores relações com os governos da região.

A questão central nas negociações desta semana era o retorno de Zelaya ao poder, mas Micheletti, um político veterano que assumiu a Presidência depois do golpe, disse na quarta-feira que a Suprema Corte teria que decidir o futuro de seu rival.

"Conforme entendi, Zelaya está pedindo que o Congresso determine se ele pode ou não voltar", disse Micheletti. "Mas isso quem vai decidir é a Suprema Corte".

ABRIGADO NA EMBAIXADA

Zelaya foi derrubado e obrigado por soldados a se exilar, mas voltou às escondidas para Honduras no mês passado e buscou abrigo na embaixada brasileira na capital do país para evitar a prisão.

Na quarta-feira ele se encontrou com negociadores a portas fechadas na embaixada para rever o acordo proposto.

Fazendeiro rico que usa um chapéu de caubói, Zelaya enfureceu conservadores poderosos quando estava no poder ao se aproximar do presidente venezuelano socialista Hugo Chávez e flertar com a reforma da Constituição, provavelmente de olho na reeleição.

Os Estados Unidos e outros governos estrangeiros condenaram o golpe contra Zelaya e ameaçaram não reconhecer as eleições marcadas para 29 de novembro se a democracia não for restaurada no país antes dessa data.

(Reportagem adicional de Magdalena Morales e Frank Jack Daniel)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host