UOL Notícias Notícias
 

25/10/2009 - 11h54

Aviões paquistaneses atacam reduto do Taliban no norte do país

Por Alamgir Bitani

PESHAWAR, Paquistão (Reuters) - A força aérea paquistanesa atacou o Taliban no Waziristão do Sul um dia depois de o exército dizer que capturou uma cidade estratégica na sua aproximação da principal base militante.

Ao mesmo tempo, separadamente, atiradores de motocicleta assassinaram o ministro da Educação no governo provincial do Baluchistão, um região rica em gás natural no sudoeste do país. Rebeldes separatistas estão fazendo uma revolta na região há décadas.

O ataque do exército à região tribal dos pashtuns no Waziristão do Sul, na fronteira com o Afeganistão, está sendo visto como um teste da determinação do governo de derrubar os islamistas responsáveis por uma série de ataques contra alvos do governo e outros.

Os Estados Unidos e outros poderes que estão às voltas com o crescente conflito no Afeganistão querem que o Paquistão elimine bases dos militantes no noroeste do país.

De acordo com autoridades de segurança, o mais recente bombardeio na ofensiva que já dura uma semana foi contra bases militantes nos vilarejos de Sam, Badr e Ladha.

"Foi um bombardeio intenso seguido de um ataque com helicópteros armados," disse um oficial da inteligência que recusou-se a ser identificado.

Vários esconderijos dos militantes foram destruídos no bombardeio, disse um oficial do governo, acrescentando que ele não tinha informações sobre o número de mortos. Não havia porta-vozes das forças armadas disponíveis para comentários.

O Waziristão do Sul é uma região montanhosa conhecida por ser um centro mundial de militância islâmica. Guerrilheiros estrangeiros, inclusive árabes e uzbeques que apóiam a al-Qaeda, estão lutando ao lado do Taliban.

Os soldados estão avançando sobre a principal área controlada pelos militantes vindos de três direções.

As tropas que estão avançando do sudeste já tomaram o controle da cidade de Kotkai, onde nasceu o chefe Taliban do Paquistão Hakimulla Mehsud, e onde mora Qari Hussein Mehsud, um alto oficial do grupo conhecido como o mentor dos homens-bomba.

A pequena cidade é uma passagem para importantes áreas sob controle dos militantes, e autoridades da inteligência na região disseram que as tropas do governo mataram ao menos 15 militantes em confrontos intensos à medida que avançavam para além de Kotkai.

Repórteres não têm acesso à área.

Aproximadamente 150.000 pessoas já fugiram do Waziristão do Sul, mas serviços humanitários dizem que não esperam que o êxodo se torne uma crise humanitária, como o que aconteceu numa ofensiva no vale de Swat neste ano.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host