UOL Notícias Notícias
 

01/11/2009 - 11h44

Colômbia denuncia plano das Farc contra juiz equatoriano

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia denunciou no sábado um suposto plano da guerrilha das Farc para assassinar um juiz equatoriano e impedir a normalização das relações diplomáticas entre os governos de Bogotá e Quito.

A denúncia foi revelada no momento em que ambos os países buscam restabelecer seus vínculos, processo paralisado pela decisão da justiça equatoriana de investigar o comandante das Forças Militares da Colômbia, o diretor da polícia e um ex-comandante do Exército Nacional.

"As Forças Militares da Colômbia receberam informação de inteligência confiável, que indica que o grupo narcoterrorista das Farc, que opera na zona sul do país, no limite com o Equador, planeja realizar nos próximos dias uma ação terrorista contra a vida do doutor Daniel Méndez Torres", disse um comunicado.

O ministro de Defesa da Colômbia, Gabriel Silva, disse ter entregue a informação às autoridades do Equador para frustrar o que qualificou como um plano "macabro" das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Méndez ordenou inicialmente a captura do ex-ministro de Defesa Juan Manuel Santos pelo bombardeio de militares colombianos na zona de Sucumbíos, no qual morreram o líder das Farc Raúl Reyes e ao menos outras 24 pessoas.

O juiz vinculou também ao processo o comandante das Forças Militares da Colômbia, general Freddy Padilla de León; o diretor da Polícia Nacional, general Oscar Naranjo e o ex-comandante do Exército, general retirado Mario Montoya.

A decisão de Méndez provocou a suspensão pela Colômbia de uma reunião de seus representantes com funcionários do Equador, como parte de um processo que busca restabelecer as relações diplomáticas entre ambos os países.

O ataque no qual Reyes morreu foi classificado pelo presidente equatoriano, Rafael Correa, como um massacre que violou a soberania de seu país, o que rompeu as relações diplomáticas com o governo colombiano de Alvaro Uribe.

A Colômbia e o Equador dividem uma fronteira terrestre de 586 quilômetros, na qual foi detectada o cultivo de folha de coca e laboratórios para a produção de cocaína, atividades em que as Farc estariam supostamente envolvidas.

(Por Luis Jaime Acosta, com reportagem adicional de Alexandra Valencia em Quito)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h29

    -0,03
    3,135
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h35

    -0,17
    75.861,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host