UOL Notícias Notícias
 

13/11/2009 - 09h24

Oferta financeira de países ricos para o clima continua incerta

Por David Fogarty

CINGAPURA (Reuters) - A poucas semanas da decisiva reunião climática da ONU em Copenhague, os países ricos ainda não definiram quantias específicas para ajudar nações pobres a combaterem o aquecimento global, disse na sexta-feira o ministro canadense das Finanças.

Essa verba, destinada a mitigar os efeitos da mudança climática e a estimular os países pobres a reduzirem suas emissões de gases do efeito estufa, será determinante para a definição de um novo tratado climático global, que substituirá o Protocolo de Kyoto a partir de 2013.

A ONU propôs um investimento inicial de 10 bilhões de dólares, e líderes da União Europeia dizem que os países em desenvolvimento precisariam de cerca de 150 bilhões de dólares até 2020.

Mas o ministro canadense Jim Flaherty afirmou que ainda não apareceram cifras específicas nas recentes discussões do G20 (bloco de países desenvolvidos e emergentes) nem na atual cúpula da Apec (bloco Ásia-Pacífico), que vai até domingo.

"Na reunião do G20 na Escócia (na semana passada) falamos sobre opções de financiamento, mas não falamos em números," disse ele à Reuters durante o evento da Apec.

No evento do G20, houve poucos avanços sobre o fundo climático, com acalorados debates sobre quem deveria pagar a conta. Os países em desenvolvimento alegam que as nações ricas têm maior responsabilidade no problema, devido ao seu longo histórico de emissões de gases do efeito estufa, e por isso deveriam ajudá-los a se adaptar.

NUVENS EM COPENHAGUE

O presidente da empresa global de auditoria PricewaterhouseCoopers disse não esperar grandes avanços na reunião de Copenhague, em dezembro.

"Acho que irá avançar, mas não busco uma grande solução a esta altura", afirmou Dennis Nally à Reuters.

A ONU espera que os países definam as linhas gerais de um tratado mais amplo e rígido do que o atual Protocolo de Kyoto, em que todos os países tenham de participar da luta contra a mudança climática.

Mas a falta de avanços nas negociações preliminares e as preocupações com a economia global prejudicam a perspectiva de sucesso.

Nally disse que as grandes economias só devem se recuperar num prazo de 18 a 24 meses, e que nesse prazo dificilmente assumirão grandes compromissos com as verbas climáticas.

"Não acho que vocês verão governos se comprometendo para valer até que tenham uma sensação melhor sobre como ficará o quadro econômico... Até lá haverá nuvens pairando sobre tudo isso."

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host