UOL Notícias Notícias
 

03/12/2009 - 19h11

Países da Otan oferecem reforços no Afeganistão

Por David Brunnstrom

BRUXELAS (Reuters) - Mais de 20 países se prontificaram a enviar soldados adicionais ao Afeganistão depois do anúncio da nova estratégia norte-americana para o conflito, disse a Otan na quinta-feira. Os número, no entanto, ainda ficam aquém das expectativas de Washington.

Chanceleres de países-membros da Otan estão reunidos para discutir a nova estratégia, mas a aliança já avisou que precisaria de 200 equipes de instrução adicional para que policiais e soldados afegãos possam eventualmente assumir a responsabilidade pela segurança.

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou nesta semana o envio de 30 mil soldados adicionais do seu país para enfrentar a insurgência do Taliban. Atualmente há cerca de 110 mil soldados estrangeiros no Afeganistão, sendo 68 mil norte-americanos.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse esperar que aliados dos EUA ofereçam pelo menos 5.000 soldados adicionais, talvez mais - mas ainda aquém dos 10 mil que o Pentágono queria.

"Há bem mais de 20 países que estão indicando ou já indicaram que pretendem aumentar seu número de tropas no Afeganistão," disse o porta-voz da Otan, James Appathurai.

"Com base no que ouvimos nas últimas 24 horas (...), estamos além da cifra de 5.000," acrescentou ele a jornalistas, ressalvando que ainda há deficiências significativas no que diz respeito a instrutores policiais e militares, que "não são tão fáceis de achar."

O general Eric Tremblay, porta-voz da força da Otan no Afeganistão, disse que faltam 41 equipes de treinamento militar e 164 de treinamento policial. Cada equipe dessas se compõe de 25 a 40 pessoas. Mesmo que a meta seja atingida, será suficiente apenas para preparar as forças afegãs em caráter provisório, mas não para substituir definitivamente as forças internacionais.

Pelo plano anunciado por Obama, as forças estrangeiras começariam a deixar o Afeganistão dentro de 18 meses. Mas Appathurai alertou que, sem instrutores suficientes, isso será impossível.

Fontes da Otan alertaram que 1.500 dos 5.000 soldados citados seriam na forma da manutenção de reforços para a segurança eleitoral, já enviados este ano. E Holanda e Canadá pretendem retirar 2.100 soldados em 2010 e 2.800 em 2011, respectivamente.

A Itália prometeu na quinta-feira mil soldados adicionais; a Grã-Bretanha pretende elevar seu contingente de 9.500 para 10 mil. Também já anunciaram tropas adicionais, entre outros, a Geórgia (900), a Polônia (600), a Eslováquia (250) e Portugal (150). A Albânia pretende enviar seus primeiros 135 soldados, além de 50 instrutores para se juntarem aos 250 já no Afeganistão.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host