UOL Notícias Notícias
 

14/01/2010 - 18h21

ENTREVISTA-Missão da ONU no Haiti deve ser ampliada, diz Amorim

Por Natuza Nery e Raymond Colitt

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores do Brasil, embaixador Celso Amorim, instou nesta quinta-feira a comunidade internacional a unir esforços para reconstruir o Haiti e defendeu que a missão da Organização das Nações Unidas (ONU) no país seja ampliada.

Ele apoiou a realização de uma conferência entre nações doadoras nas próximas semanas como forma de garantir ajuda financeira e ponderou que a missão de paz da ONU, a Minustah, precisa ser revista.

"O Conselho de Segurança da ONU deveria o quanto antes examinar a situação", disse o chanceler em entrevista à Reuters. "Temos que facilitar os trabalhos que vão além daquilo que é pura e simplesmente a manutenção da ordem no sentido tradicional."

O Brasil lidera a missão de estabilização criada em 2004 para restaurar a ordem no Haiti e tem 1.266 militares no país. A Minustah tem contingente de cerca de 9.000 pessoas, sendo pouco mais de 7.000 militares.

Na terça-feira, o país foi destruído após um terremoto de magnitude 7, que matou dezenas de milhares de pessoas e dizimou a já precária infraestrutura da nação caribenha.

Para Amorim, a conferência de doadores seria útil para canalizar recursos e executar um plano de recuperação.

"Acho que tem que ampliar, porque você tem um desastre humanitário que veio se somar a uma situação de segurança", afirmou.

Como a ONU vai operar isso, diz ele, é algo que compete ao órgão decidir se amplia seu papel por meio de mandato da Assembleia Geral ou por adaptação do mandato do Conselho de Segurança. O atual mandato da missão é garantir a paz e a segurança no país.

RISCO NO HAITI

Amorim disse que não há tempo a perder. Segundo ele, as condições de governo devem ser restabelecidas para proteger a instituição Estado.

"O governo haitiano pode estar desarticulado do ponto de vista material neste momento, mas existe um governo constitucional", afirmou.

O Brasil --que perdeu cidadãos no desastre-- foi um dos primeiros países a anunciar uma contribuição importante de recursos, de 15 milhões de dólares. Amorim estima a necessidade de "muito dinheiro" e a atenção dos líderes mundiais para colocar o Haiti de pé.

O número de mortes confirmadas entre os militares brasileiros que atuam no Haiti subiu para 14, informou o Exército nesta quinta-feira. Com isso, chegam a 15 as mortes de brasileiros pelo terremoto.

Além dos militares, que faziam parte da missão de paz, a fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, também morreu na tragédia. Ela visitava o país para uma série de palestras.

O diplomata brasileiro Luiz Carlos da Costa, funcionário da ONU e segundo civil mais importante na hierarquia da Minustah, continua desaparecido.

No momento do terremoto, Costa estaria dentro do prédio-sede da missão da ONU, que desabou. Outros quatro militares que estavam no local no momento da tragédia também estão desaparecidos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host