UOL Notícias Notícias
 

08/02/2010 - 15h01

França e EUA intensificam pedidos por novas sanções contra Irã

Por Adam Entous e Crispian Balmer

PARIS (Reuters) - Os Estados Unidos e a França afirmaram na segunda-feira que agora é o momento para impor novas sanções contra o Irã, depois que Teerã anunciou que planeja uma grande expansão em seu programa nuclear.

O Irã disse que em breve começará a produzir combustível nuclear de grau mais elevado e adicionará 10 plantas de enriquecimento de urânio ao longo do próximo ano, aumentando os riscos do impasse com as potências ocidentais por conta de seus projetos relacionados a energia atômica.

O ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, disse a jornalistas que não acredita que o Irã tenha capacidade para aumentar o nível de enriquecimento do urânio.

"Portanto, isso é pura chantagem", afirmou ele. "A única coisa que podemos fazer, infelizmente, é aplicar sanções, dado que as negociações não são possíveis."

Falando em um evento diferente, em Paris, o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, também disse que era preciso aumentar a pressão.

"Precisamos ainda tentar e encontrar uma forma pacífica para resolver essa questão. O único caminho que nos resta neste momento, me parece, é o caminho da pressão, mas isso exigirá que toda a comunidade internacional trabalhe junto", afirmou ele.

Gates disse que a comunidade internacional "ofereceu ao Irã oportunidades múltiplas para fornecer garantias sobre suas intenções com relação ao seu programa nuclear".

Os governos ocidentais estão convencidos de que o Irã está tentando se capacitar para desenvolver armas nucleares. Teerã afirma que o programa atômico é pacífico e destinado a produzir energia.

Questionado sobre a possibilidade de um ataque israelense contra o Irã por causa do programa nuclear, Gates afirmou: "O interesse de todos é ver essa questão resolvida sem recurso ao conflito".

Ele advertiu sobre o "perigo enorme" de proliferação nuclear no Oriente Médio, caso o Irã tenha sucesso em produzir uma bomba.

Kouchner afirmou que todas as grandes potências, com a exceção da China, são favoráveis a uma quarta rodada de sanções coordenadas pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Ele disse, no entanto, que não há um prazo para se chegar a um acordo e acrescentou que não teme que nenhuma ação israelense seja iminente. "Não, eu não me preocupo com isso no momento".

(Texto de Anna Willard)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host